Portugal / Mário Soares

Antigo Presidente Mário Soares faleceu hoje em Lisboa

Antigo Presidente Mário Soares, em companhia de Vitor Matias, nos estúdios da RFI, em Paris - 12.11.2013
Antigo Presidente Mário Soares, em companhia de Vitor Matias, nos estúdios da RFI, em Paris - 12.11.2013 Marco MARTINS

O antigo Presidente português, Mário Soares, de 92 anos de idade, faleceu hoje no hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde tinha dado entrada no passado dia 13 de Dezembro, depois de se ter sentido mal. Desde aí, o seu estado tinha vindo a piorar, lentamente.

Publicidade

Mário Alberto Nobre Lopes Soares, foi uma das mais importantes figuras do panorama político em Portugal nos últimos 40 anos.

Nascido em Lisboa, a 7 de Dezembro de 1924, licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas, e em Direito.
Foi co-fundador do Partido Socialista português, a 19 de Abril de 1973, mas o seu combate político tinha começado muito antes.
 

Em 1943, influenciado por Álvaro Cunhal, que viria a ser o histórico Secretario do Partido comunista Português, Mario Soares aderiu ao Movimento de Unidade Nacional Antifascista (MUNAF), estrutura ligada ao Partido Comunista Português.
Alguns anos mais tarde, foi afastado do PCP, e fundou a Resistência Republicana e Socialista, reunindo alguns membros vindos do Partido Comunista.
 

As suas actividades políticas contra o Estado Novo levam-no à cadeia 12 vezes, e é na prisão, que casa – por procuração - com Maria Barroso, a 22 de Fevereiro de 1949.

As suas actividades políticas contra o Estado Novo, levariam o Governo de Salazar a deportá-lo sem julgamento para São Tomé e Principe, em 1968, onde permaneceu até o governo de Marcello Caetano lhe permitir o exílio em França, em 1970.
 

Em França, deu aulas de Português nas Universidades de Paris VIII (Vincennes) e Paris IV (Sorbonne), tendo sido igualmente “professor convidado” na Faculdade de Letras da Universidade da Alta Bretanha, em Rennes, que lhe atribuiu o grau de Doutor Honoris Causa. Foi advogado e professor do ensino secundário.

 

A homenagem da França
 

A 13 de Novembro de 2013, Mário Soares foi condecorado por Bertrand Delanoë, então Presidente da Câmara Municipal de Paris. 

Homenagem a Mário Soares, em Paris, a 13 de Novembro de 2013, pelo ex-Presidente da Câmara de Paris, Bertrand Delanoë
Homenagem a Mário Soares, em Paris, a 13 de Novembro de 2013, pelo ex-Presidente da Câmara de Paris, Bertrand Delanoë Foto de Vitor Matias

 Nesse mesmo ano, com 89 anos é eleito a personalidade do ano 2013 pela imprensa estrangeira, radicada em Portugal.

A Revolução dos Cravos

A 28 de Abril de 1974, três dias depois da “Revolução dos Cravos”, regressou do exílio em Paris, e dois dias depois esteve presente na chegada a Lisboa de Álvaro Cunhal, histórico líder do Partido comunista português.

Durante o período revolucionário que se seguiu, em Portugal, Mário Soares tornou-se o principal líder democrático do País, e levou o Partido Socialista à vitória nas eleições para a Assembleia Constituinte de 1975.

O seu percurso como político foi longo, e ocupou quase todos os postos importantes :

-Foi ministro dos Negócios Estrangeiros, de Maio de 1974 a Março de 1975, e um dos impulsionadores da independência das colónias portuguesas.
-A partir de Março de 1977 colaborou no processo de adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia (CEE), tendo vindo a subscrever, como primeiro-ministro, o Tratado de Adesão, em 12 de Julho de 1985.
-Foi primeiro-ministro de Portugal nos seguintes períodos:
• I Governo Constitucional entre 1976 e 1977;
• II Governo Constitucional em 1978;
• IX Governo Constitucional entre 1983 e 1985.
Foi Presidente da República entre 1986 e 1996
O percurso político de Mário Soares, apos dez anos de Presidência da República continuou, mas a outro nível:

Como Presidente da Comissão Mundial Independente Sobre os Oceanos, ou como Deputado Europeu.

Em 2007 foi nomeado presidente da Comissão de Liberdade Religiosa. Também preside ao Júri do Prémio Félix Houphouët-Boigny, da UNESCO, desde 2010, é patrono do International Ocean Institute, desde 2009.

No dia 11 de Outubro de 2010 recebeu o Doutoramento Honoris Causa pela Universidade de Lisboa aquando das comemorações do centenário da mesma, coincidindo com as comemorações do centenário da República Portuguesa (5 de Outubro).

 Em 25 de abril de 2016, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, entregou a Mário Soares a chave da cidade de Lisboa, a mais alta distinção atribuída pelo município a personalidades com relevância nacional e internacional.[16]
Mário Soares deixa cerca de 30 livros publicados, entre os quais se podem citar :
• Portugal Amordaçado, Lisboa, 1974;
• Entre Militantes PS e Escritos do Exílio , ambos em 1975
• Mário Soares: Portugal – Etat d’urgence em 2013.
 

Entretanto, reagindo à morte do antigo presidente português, Mário Sores, fundador do PS, o seu companheiro de partido, Paulo Pisco, deputado socialista pela Europa, disse estar consternado com o desaparecimento do homem de estado que foi Mário Soares, que sempre lutou pela democracia e liberdade em Portugal.

Paulo Pisco deputado socialista português pela Europa

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI