Portugal / Mário Soares

A homenagem planetária a Mário Soares

Mário Soares abraça o antigo Primeiro-ministro francês, Lionel Jospin, quando recebeu a principal medalha da cidade de Paris, em Novembro de 2013
Mário Soares abraça o antigo Primeiro-ministro francês, Lionel Jospin, quando recebeu a principal medalha da cidade de Paris, em Novembro de 2013 Foto : Vitor Matias

As reacções à morte do antigo Presidente português Mário Soares, falecido neste Sábado, no hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, afluiram durante todo o dia de hoje, vindas de todas partes do Mundo. Chefes de Estado e de Governo, líderes africanos, políticos, empresários ou artistas, quase todos sublinham o seu papel na luta pela Liberdade, e pela independência das antigas colónias.

Publicidade

Este Domingo ficou marcado pelas dezenas de mensagens e homenagens a Mário Soares, que chegaram dos cinco cantos do Mundo. Das muitas reacções ao desaparecimento do antigo Presidente socialista português, a RFI publica aqui algumas delas.

Aurélio Pinto, ex - coordenador da secção do Partido Socialista português em Paris, e membro do Concelho Nacional, homenageou o antigo Presidente português, apesar das divergências existentes entre ambos. Oiça aqui:

Aurélio Pinto, ex - coordenador da secção do Partidos Socialista português em Paris, e membro do Concelho nacional

 

Do Continente africano chegou também neste Domingo a reacção do ex - Presidente moçambicano, Joaquim Chissano. Em entrevista concedida à RFI,  Joaquim Chissano relembrou a abertura de espírito de Mário Soares, apesar das dificuldades encontradas com o poder, em Portugal, após o 25 de Abril de 1974 

 

Joaquim Chissano, ex-Presidente de Moçambique

 

Outro País, outra reacção, a de Jorge Carlos Fonseca, Presidente de Cabo Verde. Em declarações à imprensa, disse que a morte de Mário Soares constitui o desaparecimento físico de "uma das figuras políticas mais importantes" da democracia portuguesa e europeia". O chefe de Estado cabo-verdiano sublinhou que o antigo Presidente da República portuguesa, era  uma pessoa de "forte convicção" política, sobretudo de valores republicanos da Democracia e "um grande amante" da Liberdade.

 

Jorge Carlos Fonseca, Presidente de Cabo Verde

Por seu turno, o Primeiro-ministro cabo -verdiano,  Ulisses Correia e Silva, afirmou  que  - com a morte de Mário Soares - Portugal e o Mundo perderam uma grande referência da democracia e da Liberdade, e Cabo Verde um grande amigo.

 

Ulisses Correia e Silva, Primeiro - ministro de Cabo Verde

 

Ainda em Cabo Verde, um homem que conheceu bem o antigo líder portutugês: O ex-Presidente da República, Pedro Pires.  Este realçou o papel de Mário Soares na democratização de Portugal e nas independências de Cabo Verde e Guiné-Bissau 

 

Pedro Pires, antigo Presidente de Cabo Verde

 

José Sita, Embaixador de Angola na Unesco, em Paris, também lembrou a figura de Mário Soares, e o seu papel na luta pela Liberdade em Portugal, o seu acção pela independência doas antigas colónias e o seu papel de relevo, a nível da Cultura.  

 

José Sita, Embaixador de Angola na Unesco

Entretanto, o governo português declarou três dias de luto nacional, e o País prepara-se para prestar a última homenagem a este grande vulto da História de Portugal e da Europa, falecido neste Sábado, com 92 anos de idade.

 

 

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI