Turquia - Holanda

Turquia encara sanções contra a Holanda

O Presidente Erdogan no sul da Turquia no 19 de Fevereiro.
O Presidente Erdogan no sul da Turquia no 19 de Fevereiro. Yasin Bulbul/Presidential Palace/Handout via REUTERS

A tensão não tende a baixar entre a Turquia e a Holanda depois das autoridades holandesas terem impedido neste fim-de-semana dois ministros turcos de participarem na Holanda em comícios da numerosa Diáspora turca daquele país a favor do Presidente Erdogan, com a Turquia preparar-se para votar em referendo no dia 16 de Abril sobre o alargamento dos poderes do Presidente.  

Publicidade

Depois de ter acusado as autoridades holandesas de tratamento "nazi e fascista" e depois de ter ainda ontem prometido "fazer pagar caro" à Holanda, o governo de Ancara refere hoje reunir-se esta noite para estudar a possibilidade de sanções. Apesar do próprio governo holandês querer colocar água na fervura, e apesar também de apelos neste sentido designadamente da União Europeia e da NATO, da qual faz parte a Turquia, Ancara finca o pé e refere examinar a possibilidade de rever os termos do seu pacto com a União Europeia no respeitante à gestão dos fluxos migratórios, uma das alavancas que o país tem feito valer nas suas relações com os seus parceiros europeus.

Embora no passado, aquando de outros pleitos eleitorais, a presença de responsáveis turcos em comícios por toda a Europa não tenha levantado objecções, o mesmo não tem sucedido nos últimos dias. A Turquia teve que cancelar a presença de representantes do seu governo em comícios sobre o seu referendo na Alemanha, Áustria ou ainda na Suíça. Já em França, ontem, o chefe da diplomacia turco pôde participar num comício em Metz no norte do país, o que não deixou contudo de suscitar reacções de repúdio designadamente pelo campo do candidato da direita às presidenciais, François Fillon, cujo país está confrontado com o risco de uma consolidação da extrema-direita à semelhança da Holanda que vai a votos na Quarta-feira no âmbito das legislativas.

Ao comentar o mal-estar que se instalou entre a Turquia e a Holanda, Carlos Gaspar, analista do Instituto Português de Relações Internacionais, não deixa de estabelecer uma possível relação entre a perspectiva muito próxima de votações populares nesses dois países e o extremar de posições.

Carlos Gaspar, pesquisador do Instituto Português de Relações Internacionais

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI