Mundo

Paris capital de luta contra a SIDA

36,7 milhões de pessoas infectadas com HIV no mundo
36,7 milhões de pessoas infectadas com HIV no mundo

Paris transforma-se até quarta-feira na capital da luta contra a SIDA. A conferência internacional de investigadores arranca este domingo no Palácio dos Congressos.  

Publicidade

Em Paris estão reunidos 6000 especialistas que vão, nos próximos dias, fazer um ponto da situação quanto ao estado das investigações na lutar contra o vírus HIV, esperando alcançar a erradicação ou uma vacina.

Os organizadores da conferência publicaram antes do encontro, que decorre no Palácio dos Congressos até quarta-feira, uma "Declaração de Paris" para exprimir as suas preocupações; "não se consegue erradicar o HIV sem investigação e a investigação não se faz sem investimento a longo termo", lê-se na declaração.

Os Estados Unidos são historicamente o maior investidor financeiro na luta contra o HIV, e mais: são responsáveis ​​por mais de dois terços de financiamento internacional.

Em 2016, os EUA gastaram 4,9 mil milhões de dólares para controlar programas contra o vírus, muito mais do que o Reino Unido (645,6 milhões) e a França (242,4 milhões).

Mas o Presidente Donald Trump propõe reduzir a despesa no orçamento de 2018, actualmente em discussão no Congresso, para um total estimado em mais de um bilhão de dólares pelo Health Gap, ONG norte-americana.

É preciso "reduzir o financiamento de vários programas de saúde, alguns dos quais dizem respeito ao HIV. Outros doadores devem aumentar as suas contribuições", escreveu o inquilino da Casa Branca em Maio quando apresentou um projecto de orçamento.

Se aprovados, estes cortes vão privar 830.000 pacientes, na sua maioria africanos de terapia anti-retroviral, tratamentos que impedem o desenvolvimento do vírus, avança a ONG Kaiser Family Foundation.

Outra questão sem resposta é o orçamento para a PEPFAR, o programa lançado em 2003 por George W. Bush, que permite que mais de 12 milhões de pacientes infectados pelo vírus beneficiem de terapia anti-retroviral. "Não se trata de um simples risco de uma desaceleração na luta contra a SIDA: estes cortes poderiam causar uma reviravolta real a partir do progresso que fizemos", insiste a investigadora sul-africana Linda-Gail Bekker, presidente internacional da AIDS Society, para quem isso seria uma "tragédia".

Desde 2005, o número de mortes relacionadas com a SIDA foi reduzido para metade no mundo (um milhão em 2016), anunciou quinta-feira ONU/SIDA, o programa de coordenação das Nações Unidas.

No ano passado, houve registos de 36,7 milhões de pessoas infectadas com HIV e mais de metade (19,5) tiveram acesso a tratamentos.

Em 2016, 19,1 mil milhões de dólares foram reunidos por doadores públicos e privados em todo o mundo na luta contra o vírus. E seria necessário chegar-se a 26,2 mil milhões para ter a certeza de alcançar a meta de 2020 definida pela ONU, meta que prevê que 90% das pessoas infectadas possam ter acesso a tratamentos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI