Acesso ao principal conteúdo
ESTADOS UNIDOS

Nova Iorque chora de novo mortos

O motorista de 29 anos foi detido e continua hospitalizado.
O motorista de 29 anos foi detido e continua hospitalizado. ©REUTERS/Brendan McDermid
Texto por: RFI
5 min

Nova Iorque voltou a ser palco de atentados sangrentos, facto inédito desde os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001. Pelo menos oito pessoas morreram atropeladas por uma carrinha. O motorista, oriundo do Uzbequistão, residia nos Estados Unidos e encontra-se hospitalizado.

Publicidade

O motorista da carrinha atropelou peões e ciclistas em Manhattan, matando pelo menos oito pessoas e feriu onze outras.

O caso voltou a manchar Nova Iorque, a escassas horas da tradicional Noite das Bruxas, ou Halloween, emblemática festa popular norte-americana, cujo desfile teve mesmo lugar.

Uma prova, como refere o português Daniel Pereira, residente nesta cidade norte-americana, de que se teria tratado de um acto isolado e sem a dimensão da tragédia das torres gémeas do World Trade Center a 11 de Setembro de 2001.

Daniel Pereira, português residente em Nova Iorque

O presidente norte-americano Donald Trump no twitter afirmou que "não devemos permitir ao (autoproclamado) Estado Islâmico voltar ou entrar no nosso país após tê-los vencido no Médio Oriente e noutros lugares. Basta !".

Vários meios de comunicação alegam que este cidadão uzbeque chegara em 2010 aos Estados Unidos e teria gritado "Deus é grande" em árabe ao sair da carrinha que conduzia.

Bill de Blasio, autarca de Nova Iorque, denunciou um "acto covarde de terrorismo" enquanto o governador democrata do Estado afirmou "sabemos desde Setembro de 2001 que somos um alvo", tendo anunciado o reforço de medidas de segurança.

Bill de Blasio, presidente da Câmara municipal de Nova Iorque

A maior parte das vítimas mortais eram turistas, incluindo um grupo de cinco argentinos.

A carrinha abalroou a faixa ciclista e o passeio junto ao rio Hudson em Manhattan, em Nova Iorque, até ir embater contra uma autocarro escolar e ser obrigado a parar, segundo James O'Neil, chefe da polícia.

O Uzbequistão já se prontificou a ajudar os Estados Unidos na investigação do ocorrido.

Nos Estados Unidos em Nova Iorque o desfile da noite das bruxas foi para a frente, mesmo após o atentado que custou a vida em Manhattan a pelo menos oito pessoas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.