Acesso ao principal conteúdo
Alemanha

SPD reunido em congresso para decidir governo na Alemanha

A chanceler Angela Merkel e o líder do SPD Martin Schulz, reunido em congresso, 21, para decidir sobre governo
A chanceler Angela Merkel e o líder do SPD Martin Schulz, reunido em congresso, 21, para decidir sobre governo REUTERS/Hannibal Hanschke
Texto por: João Matos
3 min

Depois de 4 meses sem governo no seguimento das eleições de setembro, a Alemanha, poderá ver ou não, este domingo, a formação duma equipa governamental, a ser decidido, hoje, pelos sociais democratas reunidos em congresso. A chanceler alemã, da CDU que obteve uma maioria relativa, está à espera, com ansiedade,  da decisão que sair desse congresso.

Publicidade

O SPD, maior partido da oposição, na Alemanha, está reunido hoje, (21) em congresso para decidir o imbróglio eleitoral, estando nas mãos dos seus congressistas, o futuro de um governo de coligação liderado por Angela Merkel.

O congresso do SPD, que reúne 600 delegados, em Bona, antiga capital da RFA, está a ser acompanhado em toda a Europa, nomeadamente, aqui em Paris, onde esteve esta semana, a chanceler alemã, Angela Merkel, com o presidente francês, Macron, que aposta num governo de coligação CDU-CSU/SPD.

Antes deste congresso, a direcção do SPD, tinha aprovado um acordo preliminar de governação com a CDU-CSU, acordo que deve ser agora confirmado ou não por este congresso de Bona.

Um voto favorável no fim da tarde abrirá as portas para um governo de coligação dos cristãos-democratas e sociais democratas.

Mas se for um voto não, a Alemanha ficará numa situação complicada e a União europeia a tremer.

Mesmo assim, a chanceler Angela Merkel, pode tentar formar um governo minoritário, que será frágil e que poderá cair a qualquer momento, com a oposição do SPD, da FDP, dos verdes e da extrema-direita, Alternativa para a Alemanha, que nas últimas eleições, entrou em força no novo Parlamento federal.

Outra hipótese, paralela a um governo minoritário, é dissolução do Parlamento e avançar para eleições antecipadas.

Apesar deste poder ser o quarto mandato consecutivo de Angela Merkel, ainda assim, várias sondagens e certos analistas acreditam que indo já para eleições antecipadas, a CDU-CSU de Merkel, poderá ganhar as eleições, SPD, ter um resultado inferior ao que teve nas últimas eleições, o mesmo acontecendo com os liberais da FDP.

A incógnita é a extrema-direita, se aumentará o seu número de deputados, se manterá o mesmo número ou se sairá do Parlamento federal.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.