LITERATURA

Philip Roth: morte de um génio da literatura

Philip Roth em Nova Iorque a 15 de Setembro de 2010.
Philip Roth em Nova Iorque a 15 de Setembro de 2010. REUTERS/Eric Thayer/File Photo

Morreu nesta terça-feira em Nova Iorque Philip Roth. Apesar de nunca ter recebido o Prémio Nobel da literatura tratava-se de um dos escritores americanos mais lidos do mundo. Roth faleceu com 85 anos de insuficiência cardíaca. Pastoral Americana ou ainda O complexo de Portnoy foram algumas das obras de Roth publicadas ao longo de mais de meio século.

Publicidade

Vencedor de um Prémio Pulitzer Roth escreveu sobre o sonho americano, mas também sobre as suas raízes judaicas, apesar de ser ateu.

Eis a tradução de um excerto de Philip Roth a propósito da sua forma de escrever que ele considerava como um processo "difícil".

"Quando se trata de trabalhar, aí trabalho.

Sem um romance sinto-me vazio e pouco feliz.

Por isso quando começo a trabalhar num romance faço o que é suposto ter que fazer.

É um processo demorado: leva-me normalmente entre dois e três anos para escrever um romance.

Nos primeiros seis a oito ou dez meses meses pode ser muito difícil porque não se sabe o que se está a fazer, ou o que há.

O trabalho é difícil no início, mas também o é no meio.

Penso no leitor, penso no livro.

Penso nas frases, no parágrafo, na página.

Volto a isso muitas vezes.

O livro começa a fazer as suas exigências."

O processo de escrita por Philip Roth

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI