Acesso ao principal conteúdo
Mundo

Prémio Sakharov para cineasta ucraniano preso na Rússia

Cineasta ucraniano Oleg Sentsov
Cineasta ucraniano Oleg Sentsov REUTERS/Sergey Pivovarov
Texto por: Lígia ANJOS
4 min

O parlamento europeu atribui o prémio Sakharov dos direitos humanos ao cineasta ucraniano Oleg Sentsov, detido pela Rússia na Crimeia e condenado a vinte anos de prisão por, alegadamente, planear actos terroristas.

Publicidade

Moscovo classificou o prémio como uma "decisão totalmente politizada por parte do Parlamento Europeu".

Detido em 2014, "Oleg Sentsov tornou-se um símbolo da luta pela libertação dos presos políticos na Rússia e no mundo", afirmou o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, ao anunciar a atribuição do prémio a este cineasta preso na Sibéria russa.

Oleg Sentsov sucede assim a "oposição democrática da Venezuela" como vencedor do prémio, que tem o nome do cientista soviético dissidente Andrei Sakharov e que, desde 1998, reconhece aqueles que apresentam uma contribuição excepcional à luta pelos direitos humanos.

Os líderes das bancadas parlamentares escolheram à portas fechadas o nome do cineasta ucraniano.

Para trás ficam, nomeadamente, o jornalista angolano Rafael Marques, o activista marroquino Nasser Zefzafi, também preso e 11 ONGs que resgatam migrantes no Mediterrâneo.

Oleg Sentsov, nasceu na Crimeia há 42 anos, foi detido em casa em Maio de 2014. Condenado em 2015 a 20 anos de prisão por "terrorismo" e "tráfico de armas", num julgamento considerado "stalinista" pela Anistia Internacional.

Este pai de dois filhos iniciou uma greve de fome em Maio para obter a libertação de todos os "presos políticos" ucranianos detidos na Rússia. Oleg Sentsov foi forçado a acabar com o protesto 145 dias depois para evitar a alimentação à força.

A situação do cineasta exemplifica a relação tensa entre Rússia e Ucrânia desde a anexação em 2014 da então península ucraniana da Crimeia por Moscovo, e o posterior conflito armado com separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia, que deixou mais de 10.000 mortos.

Na lista dos nomeados também se encontrava o jornalista angolano Rafael Marques pelas lutas que te levado a cabo como destaca a deputada portuguesa socialista, Ana Gomes.

Eurodeputada portuguesa socialista, Ana Gomes

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.