Acesso ao principal conteúdo
Haiti

PM anuncia medidas a favor da população de Haiti

«Nou pap domi», Estamos vigilantes dizem manifestantes sobre crise política de Haiti
«Nou pap domi», Estamos vigilantes dizem manifestantes sobre crise política de Haiti REUTERS/Jeanty Junior Augustin

A situação continua explosiva em Haiti, apesar das medidas económicas de urgência, anunciadas pelo Primeiro-ministro, Jean-Henry Céant, prometendo rigor nas administrações, luta contra a corrupção e contrabando, após 10 dias de crise que paralisam o país. Medidas que foram recusadas pelo presidente Jovenel Moïse.

Publicidade

"A primeira decisão é cortar 30% no Orçamento do governo, sugerindo à Presidência e ao Parlamento a fazerem o mesmo", declarou hoje o Primeiro-ministro de Haiti, Jean-Henry Céant.

O primeiro-ministro haitiano, foi mais longe, exigindo a "retirada de todos os privilégios desnecessários aos altos funcionários do Estado, nomeadamente, despesas de gasolina, telefone, consultores em grande número e viagens ao estrangeiro". 

No seu discurso de 20 minutos em crioulo de Haiti, Jean-Henry Céant, condenou "o acto desonesto do cidadão que manchou a bandeira de um país amigo, Estados Unidos".

Na manifestação de sexta-feira na capital haitiana, manifestantes denunciaram a ingerência de Washington na política do país queimando a bandeira americana.

Desde 7 de fevereiro, multiplicaram-se manifestações na capital e em várias outras localidades do país, provocando violência e prejuízos materiais, e pedindo a demissão do Presidente, Jovenel Moïse, que recusou as reivindicações dos populares como o acesso a alimentos a preços acessíveis.

Aliás, opositores não esperaram pelo discurso do primeiro-ministro, para apelar a novos protestos este domingo e amanhã, tendo em conta o desacordo sobre uma solução, entre Jean-Henry Céant, o Presidente e o Parlamento.

Teme-se, pois, que haja mais cenas de violência no país, donde foram hoje evacuados, 151 canadianos para o Canadá, canadianos que estavam bloqueados em Haiti, por causa de manifestações violentas.

Para Rafael Lucas, Professor universitário em Bordéus, de origem haitiana, as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro são "provisórias porque apagam uma parte do incêndio" com raízes nos governos populistas do ex-Presidente Aristide.

Rafael Lucas, Professor universitário em Bordéus, sobre crise de Haiti

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.