Acesso ao principal conteúdo
Europa

Macron apela a reforço da "soberania europeia"

O presidente francês durante a 56° conferência de Segurança de Munique, na Alemanha
O presidente francês durante a 56° conferência de Segurança de Munique, na Alemanha CHRISTOF STACHE / AFP
Texto por: Guilherme Monteiro
4 min

Macron volta a pedir “respostas claras” do eixo franco-alemão para se avançar em termos de "elementos de soberania a nível europeu", perante a liderança americana e os avanços da China. EUA garantem exagero no diagnóstico de que NATO está em "morte cerebral'.

Publicidade

Os americanos tentam convencer os europeus, na Conferência de Segurança de Munique (MSC), no sul da Alemanha, que decorre desde sexta-feira até domingo, de que a aliança transatlântica não está em "morte cerebral".

No discurso de abertura, esta exta-feira, o presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, acusou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de ter como lema o de que cada país deve "colocar os seus próprios interesses acima dos interesses de todos os outros".

Frank-Walter Steinmeier considera, ainda assim, fundamental preservar a aliança transatlântica com os EUA já que lembrou que "a UE sozinha não pode, mesmo a longo prazo e apesar de todo o progresso, garantir a segurança de todos os seus membros". 

Recorde-se que também já o presidente francês, Emmanuel Macron, em Novembro do ano passado, veio considerar que a NATO se encontra em estado de "morte cerebral", já que no seu entender não existe "qualquer coordenação em decisões estratégicas entre os EUA e os seus parceiros da NATO".

Na altura, Macron sublinhou ainda que os norte-americanos parecem estar a "virar as costas" aos parceiros europeus.

Face ao incómodo e desconfiança que Trump lançou nos países europeus com o lema de campanha "America First" (América Primeiro), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, veio este sábado rejeitar as críticas ao argumentar que os americanos contribuíram para reforçar a fronteira europeia com a Rússia ou lideraram uma aliança internacional para combater o grupo terrorista Estado Islâmico.

"Tenho o prazer de informar que a ideia de que a aliança transatlântica está morta é muito exagerada", ironizou Pompeo.

No entanto, pouco tempo depois, o chefe de Estado francês, que sucedeu a Pompeo no púlpito, veio reiterar que a política americana se está a fechar sobre si própria e a "reconsiderar a sua posição face à Europa".

Assim, Macron defende que a "Europa se deve reavivar enquanto potência política, estratégica".  

Em conversa com os jornalistas, à margem da conferência, Macron voltou mesmo a pedir “respostas claras” do eixo franco-alemão, perante os desafios colocados pelo aliado norte-americano e perante os avanços da China.

“A chave, nos próximos anos, é avançar muito mais rapidamente nos elementos de soberania a nível europeu”, disse, ao destacar as questões relacionadas com a segurança,o que contrasta com a posição mais moderada e cautelosa manifestada por Angela Merkel neste tipo matérias.

Face a estas divergências públicas, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, pediu para que se evite uma "competição" entre a Europa e os Estados Unidos, sob o risco de "destacar as nossas diferenças, minimizando os nossos pontos fortes".

A Conferência de Segurança de Munique (MSC), no sul da Alemanha é uma reunião diplomática e de defesa em que participam delegados de mais de 40 países, debate nesta edição o futuro do Ocidente e, em particular, da União Europeia.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.