Coronavírus: UE pede cooperação para garantir material sanitário

(Da esquerda para a direita) Os comissários europeus Janes Lenarcic, Stella Kyriakides e Thierry Breton em diálogo com o ministro da saúde francês, Olivier Veran, durante a reunião sobre o coronavírus, a 6 de março de 2020.
(Da esquerda para a direita) Os comissários europeus Janes Lenarcic, Stella Kyriakides e Thierry Breton em diálogo com o ministro da saúde francês, Olivier Veran, durante a reunião sobre o coronavírus, a 6 de março de 2020. AFP

A Comissão Europeia pediu esta sexta-feira ao estados-membros união para fazer face à escassez de material sanitário. A Alemanha anunciou na quarta-feira restrições à exportação de máscaras.

Publicidade

Os ministros da Saúde da União Europeia (UE) voltaram a reunir-se de novo esta sexta-feira, em Bruxelas, numa nova reunião extraordinária, a segunda em menos de um mês. O encontro serviu sobretudo para trocar informações, reforçar a resposta europeia ao coronavírus e afirmar solidariedade em relação aos países afetados.

Nas últimas três semanas, desde a última reunião dos ministros da Saúde, a situação evoluiu negativamente na UE - havia cerca de 50 casos em 7 Estados-membros, hoje há mais de 4 mil casos em 24 países da União Europeia.

Perante a propagação deste vírus, a Comissão insistiu na necessidade de os 27 se manterem unidos, solidários e coordenados. A acompanhar essa posição esteve a ministra da saúde portuguesa, Marta Temida, que sublinhou a importância da cooperação.

Ministra da saúde portuguesa, Marta Temido

 

Uma das grandes prioridades da União Europeia é a de garantir que os países têm equipamentos e material de protecção individual em quantidade suficiente, por exemplo máscaras de protecção respiratória, sobretudo para pessoal médico e restantes profissionais de saúde. De notar, que são vários os países que se têm deparado com dificuldades de acesso a estes equipamentos.

Face a esta preocupação, também a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, anunciou um contrato conjunto entre 20 Estados-membros para compras conjuntas que permitam acesso a estes equipamentos nos próximos dias.

Na Europa, Itália é o país mais afectado visto que regista o maior número de casos e mortes. Na Alemanha, face ao aumento do número de casos, um decreto proibiu, na quarta-feira,  "a exportação de material médico de proteção (máscaras, luvas, macacões, etc.)", indicaram em comunicado conjunto os Ministérios da Saúde e do Interior.

Uma decisão que mereceu a análise dos ministros da saúde na reunião desta sexta-feira e em que o ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, explicou que não se trata de uma proibição das exportações, mas uma análise "caso a caso".

 

Vasco Gandra, correspondente da RFI em Bruxelas

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI