Acesso ao principal conteúdo
Portugal

Portugal: Fátima poderá voltar a acolher peregrinos em Agosto

A imagem de Nossa Senhora é transportada num andor durante a procissão do Adeus no final das celebrações religiosas da Peregrinaçãoo Internacional Aniversária de Maio, que este ano é celebrada sem a presença fí­sica de peregrinos devido à covid-19, na Basí­lica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Fátima, Ourém, em Portugal, a 13 de Maio de 2020.
A imagem de Nossa Senhora é transportada num andor durante a procissão do Adeus no final das celebrações religiosas da Peregrinaçãoo Internacional Aniversária de Maio, que este ano é celebrada sem a presença fí­sica de peregrinos devido à covid-19, na Basí­lica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Fátima, Ourém, em Portugal, a 13 de Maio de 2020. LUSA - PAULO NOVAIS
Texto por: Miguel Martins com Lusa
5 min

De forma inédita o aniversário das aparições da Virgem Maria em Fátima a três pastorinhos a 13 de Maio de 1917 foi assinalada no santuário do centro de Portugal sem peregrinos devido aos riscos de contágio da pandemia de Covid-19. As autoridades eclesiásticas esperam que o recinto possa voltar a acolher fiéis em Agosto.

Publicidade

A 13 de Maio de 1917 a Virgem Maria teria aparecido a dois irmãos, Francisco e Jacinta Marto, bem como a Lúcia dos Santos, prima dos primeiros.

Tratavam-se de três modestos pastores, de Fátima, perto de Ourém, no centro de Portugal que estavam a guardar os rebanhos na Cova da Iria.

Foi a primeira de uma série de aparições mensais que culminariam em Outubro onde a Virgem pediu às crianças para que rezassem pela conversão dos pecadores evocando o caso da Rússia que acabaria por ficar sob regime comunista.

Um milagre do sol acabaria por atrair multidões também até ao local e as aparições acabariam por ser reconhecidas pela Igreja católica com a edificação de um santuário, um dos mais importantes do mundo.

Aí acolhem-se, sobretudo, entre Maio e Outubro, largas centenas de milhares de peregrinos agradecendo ou pedindo promessas.

O Papa Francisco também ali se deslocou em 2017 para o centenário das aparições, como muitos dos seus antecessores.

Pela primeira vez este ano em 2020 o Santuário não acolheu peregrinos devido aos riscos de contágio da Covid-19 que matou em Portugal 1 175 pessoas em 28 132 casos e que, no planeta, já vitimou mais de 293 000, com registo de 4,3 milhões de infectados.

Dom António Marto, Bispo de Leiria-Fátima, com competência pelo recinto, alega esperar que em Agosto o recinto poderia já acolher peregrinos.

O eclesiástico na cerimónia de hoje, feita apenas com celebrantes, acólitos e alguns convidados, alertou para a pandemia de pobreza e para o vírus da indiferença, neste contexto de alerta global ao novo coronavírus.

Em declarações feitas antes das celebrações desta quarta-feira à agência noticiosa Lusa o bispo em causa explicou não querer ter ficado na história como o responsável pelo agravamento da pandemia.

D. Marto lembrou da extrema dificuldade em gerir a dimensão da multidão que, por norma, aflui a Fátima, daí ser impossível priorizar uns ao acesso ao recinto, em detrimento de outros.

O Bispo de Leiria-Fátima lembrou que as informações das autoridades de saúde o risco de contágio era "muito elevado".

Na véspera, a 12 de Maio à noite, tem lugar normalmente a procissão das velas. O evento foi também cancelado este ano, com o bispo local a apelar que os crentes acendessem, então, nessa noite uma vela à janela para assinalar o ritual.

Dom António Marto, Bispo de Leiria-Fátima (Portugal)

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.