Acesso ao principal conteúdo
Covid-19/Estados Unidos/China

Donald Trump ameaça romper relações com a China e exclui falar com Xi Jingping

Covid19: China e Estados Unidos acusam-se mutuamente da origem da pandemia de Covid-19, que já matou mais de 300.000 pessoas no mundo.
Covid19: China e Estados Unidos acusam-se mutuamente da origem da pandemia de Covid-19, que já matou mais de 300.000 pessoas no mundo. RFI Hausa
Texto por: Isabel Pinto Machado com AFP
6 min

O presidente Donald Trump, endureceu esta quinta-feira o tom face à China, dizendo que não quer mais falar com seu homólogo Xi Jinping e ameaça cortar as relações bilaterais com o gigante asiático, com em pano de fundo a sua gestão da pandemia da Covid-19, que já causou mais de 300.000 mortos no mundo.

Publicidade

A tensão entre as duas maiores potências mundiais disparou devido à pandemia de Covid-19, que Trump chamou de "praga chinesa" e no canal Fox Business ele acusou esta quinta-feira (14/05) as autoridades chinesas de má gestão da pandemia e quando questionado sobre se os Estados Unidos poderiam adoptar medidas de retaliação, Trump não deu mais detalhes, mas fez ameaças.

"Há muitas coisas que poderíamos fazer….poderí­amos cortar todas as relações, o que poderia acontecer então, economisariamos 500 mil milhões de dólares", disse Donald Trump.

Na terça-feira (12/05) os senadores republicanos, apresentaram uma proposta de lei que daria ao Presidente o poder de impor sanções à China, se o país não contribuir com toda a tnasparência para que toda a verdade seja feita sobre a origem da pandemia.

A escalada verbal e atmosfera pesada entre Estados Unidos e China degenerou nas últimas semanas, devido às trocas de acusações sobre a origem da pandemia de Covid-19, que já causou mais de 300 mil mortes no mundo, o que segundo Trump poderia ter sido evitado se a China tivesse agido de forma resposável.

Os Estados Unidos são o país com o maior número de infectados e de mortes e o Presidente Trump avançou mesmo o número de 100.000 mortos até Agosto.

Trump tratou a doença com desdém no início da propagação do novo coronavírus, mas depois de vários Estados, designadamente o de Nova York, decicram adoptar medidas de isolamento social, o desemprego desde Março disparou e esta quinta-feira (14/05) atingia mais de 36 milhões de pessoas e os efeitos económicos da pandemia começam a ter repercussões, na perspectiva da sua reeleição em Novembro. 

Trump afirmou que Pequim ocultou a verdadeira dimensão da pandemia de Covid-19, que teve como epicentro no final de 2019 a cidade de Wuhan, no centro da China, a partir de onde se propagou ao mundo inteiro.

O governo chinês, por sua vez, nega essa acusação, acusa os Estados Unidos e insiste em que transmitiu todas as informações disponíveis à OMS e a outros países como os Estados Unidos, o mais rápidamente possível.

Trump insistiu nas acusações durante a entrevista à  Fox, um canal próximo do governo republicano e disse "tudo veio da China, e eles deveriam ter impedido...é muito triste o que aconteceu no mundo e no nosso país com todas essas mortes".

O número de mortes por coronavirus nos Estados Unidos subiu para 1.813 na quarta-feira (13/05), o que eleva o total  de ví­timas mortais neste país a 84.059 e o de infectados é de , 1.389.935,segundo a contagem da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore. 

Acusações a hackers chineses, com ligações ao governo

Esta disputa entre os Estados Unidos e a China permite questionar a manutenção da trégua tarifária estabelecida sobre o acordo comercial parcial alcançado em Janeiro entre os dois países.

No iní­cio desta semana, Donald Trump descartou a renegociação do acordo, após a imprensa ter indicado que a China queria reatar as negociações.

Na sexta-feira (8/05), o principal negociador da China, Liu He, falou ao telefone com seus colegas americanos e disse que os dois lados concordaram em implementar a primeira fase do acordo.

As autoridades americanas endureceram a troca de acusações, afirmando esta quarta-feira (13/05) que hackers chineses estão a tentar obter dados sobre tratamentos e vacinas contra a pandemia de Covid-19 e alertaram que essa tentativa envolve grupos e pessoas relacionadas com o governo chinês.

O FBI e a agência federal de segurança cibernética disseram que os esforços da China representam uma "ameaça significativa" à resposta dos Estados Unidos à Covid-19, quando dezenas de empresas, institutos e governos em todo o mundo tentam desenvolver uma vacina.

Pequim nega as acusações, que considera difamatórias e afirma que o governo norte-americano tenta travar uma guerra suja e continuam a desmentir a acusação de que o coronaví­rus teria surgido num laboratório de Wuhan, mas interrogado pela Fox Business sobre os motivos dessa acusação Trump foi menos categórico do que no passado e pareceu mesmo atenuar estas insinuações.

"Temos muita informação e isso não é bom, mas, o pior de tudo, se veio de um laboratório ou de um morcego, o certo é que veio da China e eles devem contê-lo", concluiu Donald Trump.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.