Acesso ao principal conteúdo
#coronavírus

Brasil ultrapassa 15 mil mortes por Covid-19 sem ministro da Saúde

Nelson Teich, ministro da Saúde do Brasil, apresentou a demissão esta sexta-feira, em plena pandemia de Covid-19 e perante divergências com o Presidente Jair Bolsonaro.
Nelson Teich, ministro da Saúde do Brasil, apresentou a demissão esta sexta-feira, em plena pandemia de Covid-19 e perante divergências com o Presidente Jair Bolsonaro. AFP - EVARISTO SA
Texto por: RFI
4 min

O Brasil ultrapassou as 15 mil vítimas mortais de covid-19. Na sexta-feira, foi batido novo recorde, com mais de 15300 novas infecções, no dia em que o ministro da Saúde, Nelson Teich, apresentou a demissão apenas um mês após assumir o cargo. As reacções multiplicaram-se e dois ministros vieram defender o Presidente Jair Bolsonaro, cujas posições sobre a pandemia teriam originado a saída de Teich.

Publicidade

Nelson Teich é o segundo ministro da Saúde a deixar a pasta em plena pandemia. Ele recusou generalizar o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19. O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, quer que o remédio seja usado em todos os casos, não apenas nos mais graves. A ministra da Mulher, Damares Alves, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, defenderam as posições do presidente.

A saída do ministro, que ainda não tem sucessor, deixou preocupados os governadores e autarcas que, apesar de terem reforçado as medidas, não conseguem atingir a meta de 70% de isolamento social.

Ainda ontem, as ONG Oxfam e Amnistia Internacional expressaram "grave preocupação" com a demissão do ministro da Saúde. "O país [Brasil] está a assustar o mundo pela falta de controlo da epidemia e pelo menosprezo do Presidente [Jair Bolsonaro] pela vida da sua população", disse a diretora executiva da Oxfam no Brasil, Katia Maia, em comunicado.

Entretanto, o Partido dos Trabalhadores anunciou que vai apresentar um pedido de destituição do presidente por considerar que coloca a sociedade em risco na forma como gere a crise sanitária.

O chefe de Estado chegou a classificar a covid-19 de "gripezinha" e acredita que, embora "vá infetar 70% da população" e "vá matar muita gente", a doença não pode "parar o Brasil".

Oiça aqui a reportagem de Pierre Le Duff, correspondente da RFI no Brasil.

Reportagem de Pierre Le Duff

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.