Acesso ao principal conteúdo
#Bélgica/Protestos contra o racismo

Bélgica: Estátua do rei Leopoldo II retirada de praça pública

Uma estátua do rei dos belgas Leopoldo II, figura controversa do passado colonial da Bélgica, foi retirada, na terça-feira, de uma praça pública em Antuérpia
Uma estátua do rei dos belgas Leopoldo II, figura controversa do passado colonial da Bélgica, foi retirada, na terça-feira, de uma praça pública em Antuérpia AFP - -
Texto por: RFI
4 min

Uma estátua do rei dos belgas Leopoldo II, figura controversa do passado colonial da Bélgica, foi retirada, na terça-feira, de uma praça pública em Antuérpia e transportada para um museu local. A retirada acontece dias depois da estátua ter sido vandalizada no âmbito de protestos contra o racismo que juntaram milhares de pessoas em várias cidades belgas em homenagem a George Floyd.

Publicidade

Leopoldo II (1835-1909) é há muito uma figura polémica na Bélgica pelos excessos do seu governo no antigo Congo belga, actual República Democrática do Congo. O soberano escravizou a população e submeteu-a a grande violência, havendo historiadores que apontam para a morte de cerca de 10 milhões de pessoas devido à violência, fome, exaustão e doenças. Na Exposição Universal de Bruxelas de 1958, Leopoldo II chegou mesmo a aprovar a exibição de um "zoológico humano" com homens, mulheres e crianças do antigo Congo.

A polémica em torno do monarca reacendeu-se com o caso George Floyd, o norte-americano negro que morreu asfixiado sob os joelhos de um polícia branco, no final de Maio, nos Estados Unidos. Seguiram-se manifestações contra o racismo em várias cidades do mundo, incluindo na Bélgica e, nas últimas semanas, várias estátuas de Leopoldo II foram vandalizadas – uma foi coberta de tinta no Museu de África em Tervuren, na Flandres-  e foi lançada uma petição para a retirada de Bruxelas das estátuas e bustos do antigo rei. A petição recolheu em poucos dias 53 mil assinaturas. Este mês, os partidos maioritários no parlamento belga pediram ao governo a criação de um grupo de trabalho para a "descolonização" do espaço público, através da revisão da toponímia relacionada com a história colonial do país.

Em Antuérpia, a estátua retirada esta terça-feira estava perto de uma igreja e tinha sido vandalizada na semana passada. A sua remoção do local já estava prevista no âmbito de uma remodelação da praça, mas a transferência para o Museu Middelheim foi antecipada e provavelmente não voltará a ser lá colocada, reconheceu o presidente da câmara, Koen Palinckx.

Em tempo de protestos anti-racistas, também o Reino Unido reavalia os seus heróis, como titula hoje o jornal Público. Os protestos fizeram questionar monumentos e até figuras incontornáveis, como o antigo primeiro-ministro Winston Churchill. Numa das suas estátuas, em Londres, junto ao Parlamento,  foi escrito a grafite “era um racista”, durante uma das manifestações. Embora seja considerado um herói da II Guerra Mundial, Churchill era um firme defensor do Império Britânico e expressou pontos de vista racistas.

No domingo, em Bristol, a estátua do comerciante de escravos do século XVII, Edward Colston, foi derrubada, arrastada pelas ruas e lançada para as águas do porto da cidade. Por outro lado, activistas da Universidade de Oxford pedem a remoção de uma estátua de Cecil Rhodes, um imperialista vitoriano na África do Sul que fez fortuna nas minas e financiou bolsas de estudo na universidade. Na estátua foi colocada a faixa: “Rhodes, tu és o próximo”.

Em Edimburgo, na Escócia, também há pedidos para remover uma estátua de Henry Dundas, um político do século XVIII que atrasou a abolição britânica da escravatura durante 15 anos.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.