Acesso ao principal conteúdo
Glifosato

Bayer paga 10 biliões de dólares para fechar processos contra glifosato

O laboratório Bayer anunciou nesta quarta-feira que irá pagar 10 bilhões de dólares para encerrar os processos relacionados com a utilização do Roundup, herbicida suspeito de causar cancro.
O laboratório Bayer anunciou nesta quarta-feira que irá pagar 10 bilhões de dólares para encerrar os processos relacionados com a utilização do Roundup, herbicida suspeito de causar cancro. AP - Martin Meissner
Texto por: Liliana Henriques
3 min

A farmacêutica alemã Bayer anunciou ontem à noite ter chegado a acordos em tribunal para fechar cerca de 100 mil dos 125 mil processos que herdou nos Estados Unidos em 2018 na compra do gigante químico Monsanto. Em causa estava o «Roundup», um herbicida contendo glifosato, uma substancia que de acordo com vários estudos científicos provoca cancro. Bayer concorda em pagar 10 mil milhões de dólares mas não reconhece nenhuma falha.

Publicidade

No seu comunicado emitido esta quarta-feira à noite, o director-geral da Bayer, Werner Baumann, considera que “os acordos da Roundup são a acção certa na altura certa para a Bayer, para terminar este longo período de incerteza. Infelizmente, temos de pagar uma horrível quantidade de dinheiro por um produto que está perfeitamente regulado”, considerou.

Em 2018, quando aquela que é uma das maiores empresas do sector químico e farmacêutico compra por 63 mil milhões de dólares a Monsanto, fabricante do Roundup, herbicida considerado responsável dos cancros de muitos dos seus utilizadores, também herda os seus milhares de queixas e processos.

Ao estimar que 75% dos litígios ficam encerrados com o acordo anunciado ontem, a Bayer comprometeu-se, em troca do fim das acções judiciais, a distribuir nos próximos meses 8,8 mil milhões de dólares pelos queixosos, os restantes 1,25 mil milhões sendo reservados a eventuais futuros outros contenciosos..

No âmbito deste entendimento, a Bayer refere igualmente que os próximos litígios em elo com o glifosato ficam mais enquadrados, sendo que outros dossiers delicados herdados da Monsanto, o pesticida Dicamba e a poluição da água com o PCB, também ficaram encerrados.

O grupo alemão que não reconhece contudo os efeitos nefastos do Roundup, apesar de em diversas ocasiões os tribunais americanos estabelecerem um elo entre o glifosato e os cancros dos seus utilizadores, indicou que 3 processos não são contemplados pelo acordo. Um deles é o mediático caso de Dewayne Johnson, cujo cancro incurável diagnosticado em 2014, levou esse jardineiro da Califórnia a atacar a Monsanto em justiça. Um processo herdado pela Bayer que em 2018 foi condenada a pagar 289 milhões de euros ao queixoso, um valor que foi reduzido em seguida, mas que não impediu a Bayer de apresentar recurso. Este e dois outros processos continuam.

Consciente do efeito destes contenciosos sobre a sua imagem e o valor das suas acções na bolsa, a Bayer anunciou ontem que vai ser criado um conselho de peritos independentes para averiguar cientificamente os possíveis elos entre a utilização do glifosato e o aparecimento de cancros.

Refira-se que já em 2019, a Bayer tinha também assumido o compromisso de gastar 5 mil milhões de euros nos próximos dez anos no intuito de desenvolver produtos alternativos aos herbicidas actualmente utilizados.

A nível da União Europeia, apesar de algumas restrições, a utilização do glifosato continua a ser autorizada até 2022. Em França, esse será também o ano em que se vai reavaliar a sua legalidade. Em Julho do ano passado, a Áustria anunciou a proibição desse herbicida, antes de voltar atras, no passado mês de Dezembro.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.