Acesso ao principal conteúdo
Paquistão/Ataque Separatista

Paquistão: ataque armado contra a Bolsa de Valores de Carachi

Viatura dos 4 atacantes contra a Bolsa de Valores de Carachi a 29 de Junho de 2020, os 4 foram mortos, bem como 4 guardas, 1 polícia e 1 civil.
Viatura dos 4 atacantes contra a Bolsa de Valores de Carachi a 29 de Junho de 2020, os 4 foram mortos, bem como 4 guardas, 1 polícia e 1 civil. REUTERS/Akhtar Soomro
3 min

Pelo menos quatro pessoas foram mortas esta segunda-feira num ataque armado contra a Bolsa de Valores de Carachi, a capital económica do Paquistão, um ataque reivindicado pelo grupo separatista Exército de Libertação do Baluchistão, cujos quatro atacantes foram mortos pelas forças de segurança.

Publicidade

Quatro homens com armas de fogo e granadas tentaram invadir às 10 horas locais (05h00 TMG) desta segunda-feira (29/06) a Bolsa de Valores de Carachi, a capital financeira do Paquistão, no sul do país e mataram três guardas e um polícia, antes de serem abatidos pelas forças de segurança.

O ataque foi reivindicado por e-mail e na rede social Twitter pela brigada Majeed, uma unidade de combatentes kamikazes do Exército de Libertação do Baluchistão, considerado um grupo terrorista pelo Paquistão, Estados Unidos e Reino Unido, que há muito luta pela independência do território.

Foi aberto um inquérito para identificar e prender os "cérebros" deste ataque, advertiu o ministro paquistanês do interior Ijaz Ahmad Shah.

O Baluchistão, é a mais vasta, mais pobre e mais instável província do Paquistão, vizinha de Carachi, no sul do Paquistão e faz fronteira com o Afeganistão e o Irão

Segundo o director da Bolsa de Valores, Abid Ali Habib, os homens armados estacionaram num parque perto do local, passando depois a dirigir-se para o edifício, onde “abriram fogo contra toda a gente”.

A Bolsa de Valores do Paquistão, que inclui as Bolsas de Lahore e Islamab, possui escritórios de centenas de instituições financeiras e num dia normal, trabalham no edifício até oito mil pessoas, mas actualmente o número é mais reduzido devido ao teletrabalho imposto pela pandemia de Covid-19.

O índice de referência na bolsa do Paquistão - PSX - é actualmente um dos mais eficazes e estáveis na Ásia.

Este ataque acontece dez dias depois de um ataque à granada contra uma fila de espera numa agência de ajuda social em Carachi, um atentado que deixou um morto e oito feridos.

A cidade portuária de Carachi registou durante uma década um elevado índice de criminalidade, com ataques quase quotidianos do movimento separatista e de grupos islamistas, que causaram centenas de mortos, mas recentemente foi considerada mais segura, devido a uma importante presença das forças de segurança.

Exército de Libertação do Baluchistão

Os militantes separatistas do Baluchistão opõem-se aos investimentos massivos da China na região, no quadro do Corredor Económico China-Paquistão - CPEC - que visa ligar a província ocidental chinesa de Xingjiang ao porto em águas profundas de Gwadar, no Baluchistão e desta forma permitir o acesso directo dos produtos chineses ao mar da Arábia, considerando que estes não beneficiam a população local.

Em 2018 o Exército de Libertação do Baluchistão tentou invadir o consulado chinês em Carachi, matando quatro pessoas.

No ano passado, o mesmo grupo atacou um hotel de cinco estrelas na cidade de Gwadar, provocando cinco mortos e seis feridos, hotel que é fruto do projeto multimilionário chinês CPEC.

Inicialmente, o grupo reivindicava autonomia política para a província do Baluchistão, mas gradualmente evoluiu para um movimento separatista armado e violento, considerado como organização terrorista pelo Paquistão, Reino Unido e Estados Unidos.

Apesar de rico em reservas de carvão e gás natural, assim como em ouro e cobre, o Baluchistão é a zona mais pobre do Paquistão e os seus habitantes acusam o governo de Islamabad de espoliar os seus recursos naturais e de negar os direitos da província.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.