Acesso ao principal conteúdo
Convidado

TikTok: Nova arma de arremesso entre Estados Unidos e China?

Áudio 10:27
O presidente norte-americano, Donald Trump, deu um ultimato à TikTok para vender as suas operações nos Estados Unidos até 15 de Setembro, senão passa a ser proibida. Microsoft está a negociar.
O presidente norte-americano, Donald Trump, deu um ultimato à TikTok para vender as suas operações nos Estados Unidos até 15 de Setembro, senão passa a ser proibida. Microsoft está a negociar. AFP/File
Por: Carina Branco
26 min

O Presidente norte-americano, Donald Trump, deu um ultimato à aplicação chinesa Tik Tok  para vender as suas actividades nos Estados Unidos até 15 de Setembro, senão pode ser banida do país. O TikTok é a nova arma política e/ou económica na disputa entre os Estados Unidos e a China? As respostas com Alcides Fonseca, professor no departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Publicidade

Vender ou sair. Depois de ter ameaçado banir a aplicação TikTok dos Estados Unidos, o presidente Donald Trump deu um ultimato à rede social chinesa para vender as suas actividades no país até 15 de Setembro, senão passa a ser proibida.

 “A Internet sempre foi uma plataforma inter-nações muito aberta, tirando aquele cantinho da China e alguns outros países onde existia a chamada grande muralha ou a grande ‘firewall’ da China onde o governo controla o que é que os cidadãos podem ver na internet. O que os Estados Unidos estão a fazer é dar o primeiro passo para fazer a mesma coisa no próprio país”, começa por explicar Alcides Fonseca.

Questionado sobre se a aplicação pode constituir um risco à segurança norte-americana, como justifica a Casa Branca, o especialista em informática recorda que, no início de Junho, a morte de 20 soldados indianos na fronteira com a China levou a Índia a banir o TikTok. “A questão é: quanta desta informação dos utilizadores é que poderá ter ajudado as operações militares chinesas?”.

Alcides Fonseca sublinha, ainda, que em 2017 existia uma rede social, a Strava, que partilhava trajectos de corrida e de bicicleta dos utilizadores e que se notava que “em países como o Afeganistão, onde apenas estrangeiros usavam a aplicação, conseguia-se ver as bases americanas que supostamente deveriam ser secretas”.

Por outro lado, “os vários escândalos que têm vindo a ser revelados ao público” ligados ao Facebook revelaram que “é possível manipular a opinião pública e condicionar o voto a partir das ‘Fake News’".

Não é uma preocupação para o governo americano se for o Facebook, a Google ou a Apple a controlarem os dados dos utilizadores. Todas estas empresas têm uma porta das traseiras em que se dá acesso à CIA e ao FBI aos dados, mesmo que não sejam de norte-americanos, mesmo que sejam dados europeus”, explica.

A Microsoft está na corrida à compra das operações americanas da TikTok. A aplicação, detida pela chinesa  ByteDance, tem cem milhões de utilizadores nos Estados Unidos e cerca de dois mil milhões em todo o mundo. Uma pepita “made in China” que faz sombra ao americano Facebook e que Donald Trump considera como um risco à segurança nacional. Se o negócio for fechado, Trump já avisou que o Tesouro norte-americano deve receber uma fatia.

Eu diria que é uma consequência dos Estados Unidos terem um presidente capitalista porque no seu passado Donald Trump era um empresário e fazia parte do perfil dele pensar ‘como posso ganhar dinheiro com isto?’. E aqui vê-se mais ou menos o mesmo. Alguém vai comprar o TikTok a um preço abaixo do que seria o preço do mercado por causa desta imposição em vender. Portanto, Donald Trump pensa: Se eu vou dar um desconto a alguém, quero uma fatia por ter feito esse desconto”, considera Alcides Fonseca.

Obrigar o TikTok a vender a sua parte americana aos americanos não constitui uma ameaça à liberdade de expressão, depois de, em Maio, Donald Trump ter ameaçado fechar redes sociais após o Twitter ter advertido para “Fake News” divulgadas por ele na plataforma? Afinal, o TikTok é uma arma política e/ou económica?

Eu diria que o poder é sobretudo económico, em que eles conseguem controlar o que é que se poderá vender em termos de produtos porque o público-alvo [do TikTok] é um público muito jovem. Ainda não é um público que vota, não é um público que está em posição de tomada de decisão. O Facebook transmite muito mais conteúdos que possam influenciar quer votos quer actividade económica em geral, enquanto o TikTok são vídeos mais de entretenimento. Obviamente que, daqui a uns anos, os que eram adolescentes passam a já não ser adolescentes e obviamente que poderá ter outro peso. Mas as redes sociais não tendem a durar muitas décadas, eventualmente poderá surgir outra que substitui esta, que foi o que aconteceu com o Snapchat e com muitas outras antes dessa que tiveram um pico e depois morreram”, conclui.

Oiça a entrevista completa no Convidado do dia.

CONVIDADO - Alcides Fonseca sobre o ultimato de Donald Trump à aplicação Tik Tok

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.