Acesso ao principal conteúdo
Convidado

Bomba-relógio explodiu no campo de refugiados de Moria

Áudio 06:17
Migrantes em Lesbos, na Grécia a 12 de Setembro de 2020
Migrantes em Lesbos, na Grécia a 12 de Setembro de 2020 AFP
Por: Lígia ANJOS
8 min

Cerca de 13.000 migrantes e requerentes de asilo ficaram sem abrigo depois dos incêndios em Moria, na ilha grega de Lesbos.

Publicidade

As autoridades gregas garantem ter pronto, nos próximos cinco dias, um novo campo para acolher os migrantes que se encontram na rua, a dormir ao relento e quase sem acesso a alimentos.

O Papa Francisco manifestou, este domingo, solidariedade aos cerca de 13.000 refugiados do campo destruído pelo fogo em Moria e pediu um acolhimento digno e humano para estas pessoas.

As condições do campo de Moria já eram uma bomba-relógio, lembra Inês Avelãs, voluntária portuguesa da Fénix Humanitarian Legal Aid, em Lesbos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.