Acesso ao principal conteúdo
União Europeia/Cabo Delgado

União Europeia aloca 25 milhões de euros para os 250.000 deslocados em Cabo Delgado

A violência em Cabo Delgado, provocou mais de 1.000 mortos e 250.000 deslocados internos desde Outubro de 2017.
A violência em Cabo Delgado, provocou mais de 1.000 mortos e 250.000 deslocados internos desde Outubro de 2017. © News Pinnacle
Texto por: RFI
5 min

A União Europeia garantiu 25 milhões de euros para assistência humanitária aos mais de 250.000 deslocados devido à violência em Cabo Delgado, soma que representa metade dos 50 milhões de euros que os países europeus vão destinar a Moçambique, no quadro do apoio à região norte do país, palco de ataques desde 2017, anunciou em Maputo o representante da UE, embaixador António Sanchez-Benedito Gaspar. 

Publicidade

O parlamento europeu analisou esta quinta-feira, 17 de Setembro a situação em Cabo Delgado e a comissária europeia responsável pelas Parcerias Internacionais, Jutta Urpilainen, considerou "extremamente chocante" o recente relatório da Amnistia Internacional sobre violações de direitos humanos no norte de Moçambique.

A comissária defendeu uma investigação "transparente e efectiva", incluindo às alegações que envolvem membros das forças de segurança.

Jutta Urpilainen mostrou-se preocupada com a situação na região, num debate, que decorreu na manhã desta quinta-feira, 17 de Setembro, no plenário do Parlamento Europeu. "Hoje, o norte de Moçambique enfrenta uma nova ameaça, um surto de violência armada, com uma dimensão regional perigosa". 

A comissária garantiu que a União Europeia está disponível para ajudar Moçambique. "Temos uma relação política e de desenvolvimento forte com Moçambique e estamos prontos a discutir opções para assistência. Congratulo-me também por vos informar que o governo e a UE abriram um diálogo político focado em desenvolvimentos humanitários e questões de segurança em Cabo Delgado".

Nas suas intervenções, os deputados também mostraram preocupação e apelaram à ajuda europeia.

Paulo Rangel, do PSD, pediu à União Europeia para não esquecer o país. "Não podemos deixar Moçambique e os moçambicanos no esquecimento", afirmou alertando para o drama humanitário no norte do país.  

No mesmo sentido, interveio a eurodeputada do PS Isabel Santos, que defendeu a necessidade de a União Europeia dar uma resposta humanitária e projectar um programa de desenvolvimento e paz para a região, articulado com governos e organizações locais.

Vasco Gandra, correspondente em Bruxelas

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.