Acesso ao principal conteúdo
Bolívia/Política

Presidente interina da Bolívia desiste da corrida às presidenciais

A  presidente interiina da Bolívia, Jeanine Áñez, decidiu retirar a sua candidatura à  eleição presidencial boliviana prevista para 18 de Outubro.
A presidente interiina da Bolívia, Jeanine Áñez, decidiu retirar a sua candidatura à eleição presidencial boliviana prevista para 18 de Outubro. REUTERS/David Mercado
Texto por: RFI
5 min

A presidente interina da  Bolívia Jeanine Áñez, decidiu na quinta-feira não candidatar-se a eleição presidencial de  Outubro  próximo.  Segundo Áñez,ela desiste em nome da democracia no seu país, que  enfrenta  uma  crise  desde a destituição do ex-chefe de Estado Evo Morales, actualmente exilado na Argentina. As últimas sondagens de opinião colocam Luis Arce, o ex-ministro da Economia de Evo Morales, na liderança das intenções de voto.                        

Publicidade

Com apenas 7% das intenções de voto,Jeanine  Áñez, decidiu desisitir da  eleição presidencial boliviana de Outubro, na qual a sua candidatura se transformara na crónica de uma derrota anunciada.

Numa  mensagem  televisiva a candidata, da direita radical  boliviana, anunciou que a sua decisão foi motivada pelo desejo de preservar a democracia no seu país, em crise desde a contestação pela oposição dos resultados da eleição presidencial de Outubro de 2019, que desembocou na destituição do então chefe de Estado, Evo Morales, por um golpe policial-militar.  

De acordo com o último inquérito de opinião efectuado  pela  Fundação Católica Jubileo, o  antigo ministro da Economia, Luis Arce lidera nas intenções de voto com 29,2%, secundado pelo ex-presidente  de centro-direita Carlos Mesa com 19%.  Na terceira posição emerge o líder da direita boliviana Luis Fernando Camacho com 10,4% e na quarta, Jeanine  Áñez, como citado atrás, com menos de dez por cento das intenções.

Áñez que tinha anunciado a sua candidatura em Janeiro, foi amplamente criticada não só pelos seus adversários políticos, mas  também por alguns dos seus partidários, que não viram com bons olhos a sua decisão de concorrer a magistratura suprema da Bolívia.

Segundo os analistas locais ,a presidente interina da Bolívia, decidiu retirar-se da corrida à eleição presidencial, com o objectivo de  impedir a vitória  da esquerda,  representada por  Luis Arce, candidato do  Movimento para o Socialismo (MAS), partido de Evo Morales ,actualmente exilado na  Argentina.

Jeanine Áñez,de cinquenta três anos de idade, apelou a unidade contra o regresso da esquerda e de  Evo Morales, líder do MAS, ao poder em La Paz.

Baseada numa estimativa dos votos válidos, a sondagem de opinião, realizada pela Fundação Católica Jubileo,  aponta que se a eleição presidencial  da Bolívia decorresse hoje, Luis Arce  obteria 40,3% dos  votos,Carlos Mesa 26,2%, Luis Fernando Camacho 14,4%  e  Añez, 10,6%.

Se considerarmos o código eleitoral boliviano, segundo o qual o candidato com uma vantagem de 10% dos votos em relação ao seu rival directo é proclamado presidente, Luis Arce seria logicamente o vencedor da eleição desde a primeira volta.

O  escrutínio, para a eleição presidencial de Bolívia, decorrerá no dia 18 de Outubro.

Presidente interina da Bolívia desiste da corrida às presidenciais

           

      

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.