Acesso ao principal conteúdo
Maradona

Maradona: o último adeus ao jogador mágico

Fãs despedem-se de Maradona
Fãs despedem-se de Maradona Alejandro AMDAN TELAM/AFP
Texto por: RFI
3 min

As cerimónias fúnebres de Diego Maradona começaram esta quinta-feira e ficaram marcadas por confrontos entre a polícia e os fãs,  que tentaram furar as barreiras de segurança. As pessoas precipitaram-se para assistirem ao velório que decorre, até sábado, no palácio presidencial, em Buenos Aires.

Publicidade

Esta quinta-feira centenas de fãs de Maradona envolveram-se em confrontos com a polícia, junto ao palácio presidencial, em Buenos Aires, numa tentativa de furar as barreiras de segurança e assim poderem assistir ao velório da lenda do futebol.

As cerimónias fúnebres de Diego Maradona começaram esta quinta-feira e decorrem até sábado, no palácio presidencial, em Buenos Aires.

O internacional argentino, considerado um dos melhores futebolistas da história, tinha sido, recentemente, operado a um coágulo no cérebro. No início de Novembro foi internado em estado anémico, desidratado e deprimido, tendo sido operado com sucesso a um hematoma subdural.

Depois da cirurgia, Maradona teve alta e foi transferido para a sua casa em Tigre, nos arredores norte de Buenos Aires, onde iria prosseguir tratamento, e onde acabou por falecer.

O jogador mágico

Diego Armando Maradona nasceu a 30 de Outubro de 1960, viveu a infância em Villa Fiorito, um bairro muito pobre da periferia da capital argentina onde começou a destacar-se pela sua habilidade com a bola nos pés.

Começou a carreira na Argentina, mudou-se para Barcelona em 1982, mas foi em Nápoles que foi elevado a estatuto de ídolo. Durante sete temporadas, Maradona foi a grande figura do Napoli.

Consolidou-se como uma estrela universal do futebol quando foi capitão da selecção argentina. Em 1986 levantou a taça de campeão do mundo no México. Foi aí que marcou os golos mais famosos: o polémico a 'mão de Deus' e o mais bonito da história dos Mundiais, ambos contra a Inglaterra nos quartos-de-final.

O último adeus

Diego Armando Maradona tinha 60 anos, mais de 20 passados a maravilhar os amantes do futebol que focaram abalados com a morte da estrela do futebol.  Para citar apenas algumas reacções, o também lendário Pelé lamentou nas redes sociais o desaparecimento de Maradona."Perdi um grande amigo e o mundo perdeu uma lenda. Há muito a dizer, mas por enquanto, Deus dê forças para seus parentes. Espero que um dia possamos jogar juntos no céu", escreveu o jogador brasileiro.

O Balão de Ouro português Cristiano Ronaldo também recordou "um génio eterno" enquanto o ex campeão francês e ex-líder da UEFA, Michel Platini, contemporâneo de Maradona, considerava que “é o nosso passado que parte”.

O argentino Lionel Messi disse que "Diego é eterno" e lamentou a morte da antiga 'estrela' do futebol, dizendo que é um dia muito triste para todos os argentinos.

A Federação Argentina de Futebol expressou "a sua mais profunda tristeza pela morte da lenda, Diego Armando Maradona. Estará sempre nos nossos corações". Um dos seus primeiros clubes, o Boca Juniors deixou um "Eterno obrigado. Eterno Diego" enquanto o italiano Napoles dizia "Para sempre, ciao Diego".

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.