Acesso ao principal conteúdo
Portugal

Portugueses vão votar em presidenciais durante novo confinamento

Palácio de Belém, residência oficial do Presidente da República Portuguesa.
Palácio de Belém, residência oficial do Presidente da República Portuguesa. © PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
Texto por: Lígia ANJOS
4 min

Os portugueses são chamados a eleger, no dia 24 de Janeiro, o próximo Presidente da República, em pleno confinamento nacional. Portugal deve voltar a decretar um novo confinamento em todo o país a partir de quinta-feira, 14 de Janeiro, condicionando a campanha eleitoral que arrancou este domingo.

Publicidade

Estas presidenciais são as primeiras eleições a acontecer durante a pandemia em Portugal, com campanhas adaptadas à pandemia de Covid-19, o que poderá "influenciar comportamentos eleitorais, e fazer subir a abstenção" - apontam alguns analistas.

A Direcção-Geral da Saúde emitiu um conjunto de recomendações às autarquias para diminuir as hipóteses de contágio. O uso de máscara será obrigatório e os membros da mesa deverão usar luvas (mas não é certo que sejam testados).

Na corrida a Belém estão sete candidatos

Ana Gomes, 66 anos, é jurista e antiga diplomata, destacou-se como chefe da missão diplomática portuguesa na Indonésia durante o processo de independência de Timor-Leste. Militante de base do PS, partido pelo qual foi eurodeputada entre 2004 e 2019.

O PS decidiu que a orientação para as eleições presidenciais será a liberdade de voto, sem indicação de candidato preferencial, com Ana Gomes a recolher apoios de figuras socialistas, é uma candidatura independente e conta com o apoio dos partidos PAN e Livre.

André Ventura, 37 anos, é professor universitário, presidente do partido de extrema-direita Chega e deputado desde 2019, ano em que o partido se candidatou pela primeira vez a eleições legislativas e elegeu um parlamentar.

Foi militante do PSD e candidato por este partido à Câmara Municipal de Loures, em 2017, quando afirmações polémicas sobre a comunidade cigana provocaram a ruptura da coligação com o CDS-PP no município.

João Ferreira, 42 anos, biólogo, eurodeputado e vereador na Câmara Municipal de Lisboa. Integra o Comité Central do PCP, foi candidato pelo partido em duas das mais recentes eleições do país: cabeça de lista a Lisboa nas autárquicas de 2017  e número um nas europeias de 2019. Tem apoio do Partido Ecologista "Os Verdes".

Marcelo Rebelo de Sousa, 72 anos, professor catedrático de direito jubilado, foi comentador político na rádio e na televisão e é o actual chefe do Estado. Entre 1996 e 1999, Marcelo Rebelo de Sousa foi presidente do PSD.

Foi deputado à Assembleia Constituinte em 1975, secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros do VIII Governo Constitucional e ministro dos Assuntos Parlamentares (entre 1981 e 1982) e presidiu às assembleias municipais de Cascais e Celorico de Basto.

Marisa Matias, 44 anos, socióloga e eurodeputada eleita pelo Bloco de Esquerda desde 2009, partido de que é dirigente, integrando a Mesa Nacional e a Comissão Política.

Em 2016 foi candidata às presidenciais, tendo ficado em terceiro lugar, com 10,12% dos votos, o melhor resultado de sempre de um candidato presidencial do Bloco de Esquerda.

Tiago Mayan, 43 anos, advogado e um dos fundadores do partido Iniciativa Liberal, presidindo ao Conselho de Jurisdição. 

Foi militante do PSD e esteve envolvido nas campanhas e movimento "Porto, o Nosso Partido", que elegeram Rui Moreira para a Câmara da cidade

Vitorino Silva (conhecido como Tino de Rans), 49 anos, foi calceteiro e presidente da Junta de Freguesia de Rans (a sua terra natal, no concelho de Penafiel) entre 1994 e 2002, eleito nas listas do PS.

Há cinco anos foi candidato a Presidente da República, tendo conseguido 3,28% dos votos, e em 2019 fundou o partido RIR (Reagir, Incluir, Reciclar).

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.