Portugal

Portugal: último dia de uma campanha atípica

Campanhe eleitoral termina em pleno confinamento com célebres cafés lisboetas encerrados como é o caso aqui da "Brasileira".
Campanhe eleitoral termina em pleno confinamento com célebres cafés lisboetas encerrados como é o caso aqui da "Brasileira". © LUSA - MIGUEL A. LOPES
Texto por: Lígia ANJOS
|
Vídeo por: Cristiana Soares
3 min

Em Portugal chega ao fim esta sexta-feira a campanha eleitoral dos sete candidatos presidenciais. Uma campanha com formatos diferentes por causa da pandemia.

Publicidade

A candidata independente Ana Gomes, sem apoio oficial do PS, encerrou a sua campanha nas ruas em Viana do Castelo com forte apelo ao voto dos socialistas. A regionalização foi a bandeira da candidata.

O candidato e Presidente Marcelo Rebelo de Sousa fez uma campanha sem selfies e sem afectos na rua. Uma campanha centrada num só tema: a pandemia. O candidato apoiado pelo PSD, a um segundo mandato, está hoje em Celorico de Basto, distrito de Braga, local onde vota no domingo.

A candidata pelo Bloco de Esquerda, Marisa Matias, fez campanha "para dar voz à gente sem medo", como disse. A campanha fica marcada por uma onda de solidariedade de homens e mulheres a pintar os lábios de vermelho, em resposta ao comentário misógino de um candidato da oposição. Este último dia de campanha é exclusivamente online.

Em Lisboa, o candidato presidencial João Ferreira queima os últimos cartuchos. O candidato do PCP diz que conhecer a Constituição é a “melhor vacina” contra quem quer subvertê-la. Uma das inovações da campanha foi o de aceder ao documento através de uma plataforma digital.

Também em Lisboa está o candidato presidencial André Ventura. A campanha de candidato do partido de extrema-direita Chega fica marcada por protestos e contestação nas ruas, com o episódio de violência policial em Setubal.

O candidato Tiago Mayan Gonçalves foi a jogo nesta campanha presidencial com as regras impostas pela pandemia de Covid-19 que limitaram o contacto com os eleitores, o candidato da iniciativa liberal vai passar o último dia de campanha com várias iniciativas na Internet.

O candidato Vitorino Silva afirmou que está "orgulhoso" da decisão que tomou em fazer toda a campanha através de videoconferência. O candidato presidencial defendeu que o governo deve ouvir quem está a combater a pandemia.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena pandemia de Covid-19 em Portugal, estão marcadas para domingo 24 de Janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República desde a primeira Constituição democrátiva de 1976.

Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI