Myanmar

G7, EUA e UE aumentam pressão sobre a junta birmanesa

Funeral de um dos civis abatidos durante as manifestações contra o golpe militar, neste dia 23 de Fevereiro de 2021.
Funeral de um dos civis abatidos durante as manifestações contra o golpe militar, neste dia 23 de Fevereiro de 2021. REUTERS - STRINGER
Texto por: Liliana Henriques
3 min

Numa altura e que continuam os protestos contra o golpe de Estado militar perpetrado há 3 semanas no Myanmar, os dirigentes do G7, dos Estados Unidos e os chefes da diplomacia europeia condenaram "fortemente" as violências cometidas pelas forças de segurança birmanesas contra os manifestantes.

Publicidade

Até ao momento, três civis foram abatidos em violências envolvendo militares, nomeadamente um homem que estava a patrulhar na rua no intuito de evitar detenções massivas no seu bairro, em Rangum.

"O uso de munições reais contra pessoas desarmadas é inaceitável", declararam nesta terça-feira os dirigentes do G7 referindo que os militares serão "responsabilizados". Ao pedir o "pleno acesso humanitário" aos mais vulneráveis, os lideres das 7 maiores potências mundiais reiteraram o seu apelo para a libertação "imediata e incondicional" da líder Aung San Suu Kyi e do presidente birmanês Win Myint, ambos detidos desde o dia 1 de Fevereiro, dia em que a junta militar retomou o poder no Myanmar.

No mesmo sentido e na senda do que já tinha sido anunciado há 10 dias pela administração Biden, os Estados Unidos anunciaram sanções contra dois oficiais superiores do exército birmanês, o general Maung Maung Kyaw, chefe da Força Aérea, e o Tenente General Moe Myint Tun, depois de já ter anunciado sanções contra outras figuras da junta militar. O secretário de Estado americano, Antony Blinken indicou ainda que os Estados Unidos "não hesitariam em tomar novas medidas contra aqueles que cometem violências e reprimem a vontade do povo".

Esta declaração surgiu numa altura em que a União Europeia também anunciou a sua decisão de aplicar sanções contra os interesses económicos e financeiros dos militares golpistas. "Toda a ajuda financeira directa aos programas de reforma do governo está suspensa" declarou ontem o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell.

Apesar de muitos peritos questionarem a eficácia das sanções contra a junta militar, a comunidade internacional volta a tomar este tipo de medidas.

No caso da União Europeia que aplicou sanções contra o regime militar birmanês entre 1996 e 2012, até se abrir o parêntese do poder civil naquele país, observadores apontam que estas medidas não travaram o comércio e os investimentos de certos países europeus, nomeadamente a França através da petrolífera Total, ao ponto de se tornarem, entre 1995 e 2005, alguns dos principais investidores do país.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI