#Amnistia Internacional-Covid-19

Amnistia denuncia "monopólio" sobre as vacinas

Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional.
Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional. © RFI/Véronique Gaymard

No relatório 2020/2021 publicado esta quarta-feira, Amnistia Internacional afirma que “a pandemia expôs a desigualdade sistémica em todo o mundo e denuncia o "quase monopólio" dos países ricos sobre as vacinas.

Publicidade

No relatório 2020/2021 publicado esta quarta-feira, Amnistia Internacional denuncia que “a pandemia expõe a desigualdade sistémica em todo o mundo, com as minorias étnicas, os profissionais de saúde e as mulheres entre os mais afectados. A ONG sublinha que a pandemia acentuou as desigualdades e serviu de pretexto para acentuar a repressão e atacar os direitos humanos.

A organização analisou a situação dos direitos humanos à escala mundial durante 2020, com dados de 149 países e concluiu que durante o primeiro ano de pandemia Estados privilegiaram “os interesses próprios nacionais, penalizando os mais frágeis e agravando as desigualdades''.

A secretária-geral da Amnistia Internacional, Agnès Callamard, disse que a pandemia mostrou a incapacidade de o mundo cooperar de forma eficaz e justa.

“Os países mais ricos monopolizaram as vacinas, deixando os países com menos recursos confrontados às piores consequências em termos de saúde e direitos humanos, às mais longas perturbações económicas e sociais”, acrescentou.

A Amnistia apela aos responsáveis mundiais para “acelerarem a produção e entrega de vacinas para todos”. “Trata-se de um teste fundamental, mesmo rudimentar, da capacidade do mundo em cooperar”.

As desigualdades acentuaram-se

Um ano após o surgimento do coronavírus na China, em finais de 2019, o mundo continua a lutar contra a pandemia que já fez 2,8 milhões de mortos e contaminou oficialmente cerca de 130 milhões de pessoas. Longe de ter criado uma onda de solidariedade, o Covid-19 aumentou as tensões e as desigualdades na vacinação, vista como a única porta de saída para a crise.

Metade de cerca das 680 milhões de doses foram administradas nos países mais ricos que concentram 16% da população, enquanto os países de baixo rendimento (9% da humanidade) receberam apenas 0,1%, segundo a análise da AFP que teve acesso a dados oficiais.

A Amnistia Internacional apoia as iniciativas como a plataforma (C-TAP) da Organização Mundial da Saúde que permite a partilha de conhecimento, da propriedade intelectual e de dados.

Ainda pouco utilizada, esta plataforma permite encontrar novas capacidades de produção e ajuda na construção de locais de produção suplementares, em particular em África, na Ásia e na América Latina

"A China foi irresponsável"

Para além das desigualdades no plano vacinal, a Amnistia considerou que a China foi “irresponsável” quando tentou censurar o pessoal médico e os jornalistas que alertaram para a pandemia e condenou a decisão do Presidente Donald Trump de retirar o país da OMS em plena crise.

A Amnistia denunciou ainda que a pandemia expôs a desigualdade sistémica em todo o mundo, com as minorias étnicas, os profissionais de saúde e as mulheres entre os mais afectados, sublinhando que a crise sanitária serviu de pretexto para acentuar a repressão e atacar os direitos humanos.

A organização evoca nomeadamente o aumento de restrições à liberdade de expressão em países como a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e na Hungria, tentando calar as críticas sobre a gestão da crise sanitária e qualificando-as de “informações falsas”.

O relatório evoca ainda a escalada da violência policial no Brasil e as manifestações #EndSars que foram violentamente reprimidas na Nigéria e o movimento Black Lives Matter’ nos Estados Unidos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI