#AstraZeneca #Covid-19

Agência Europeia do Medicamento confirma benefícios da AstraZeneca

Agência Europeia do Medicamento confirma benefícios da AstraZeneca
Agência Europeia do Medicamento confirma benefícios da AstraZeneca REUTERS - DADO RUVIC

A Agência Europeia do Medicamento disse, ontem, que existe uma “possível relação” entre a vacina da AstraZeneca e a formação de “casos muito raros” de coágulos sanguíneos, contudo reitera que os benefícios da AstraZeneca são positivos.

Publicidade

A Agência Europeia do Medicamento pronunciou-se, esta quarta-feira, sobre a formação de “casos muito raros” de coágulos sanguíneos, após a inoculação da vacina AstraZeneca contra o Covid-19.

Durante uma conferência de imprensa, a EMA anunciou que os coágulos sanguíneos devem ser assinalados como efeitos secundários “muito raros”, no entanto reiterou que os benefícios do fármaco são positivos.

A Agência Europeia do Medicamento efectuou uma análise “aprofundada” aos 86 casos reportados de coágulos sanguíneos, 18 deles mortais, num total de 25 milhões de pessoas que receberam a vacina na Europa e no Reino Unido.

“O Conselho de Segurança confirmou que as vantagens da vacina AstraZeneca na prevenção ao Covid-19 ultrapassam os riscos dos efeitos secundários”, indicou a directora executiva da Agência Europeia do Medicamento, Emmer Cooke.

A Agência Europeia do Medicamento disse ainda que a União Europeia terá “em conta” a recomendação de especialistas britânicos que sugeriram alternativas à administração da vacina da AstraZeneca contra a covid-19 para menores de 30 anos, devido aos sinais crescentes de que pode provocar tromboembolismos.

Vários países, por precaução, vários deixaram de administrar a vacina abaixo de certa idade, como a França, Alemanha e Canadá, enquanto a Noruega e a Dinamarca suspenderam a vacina da AsztraZeneca.

OMS: É preciso avaliar o risco desses “acontecimentos adversos”

A Organização Mundial de Saúde também disse esta quarta-feira que a ligação entre a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca e o desenvolvimento de uma forma rara de coágulos sanguíneos é “plausível mas não confirmada”.

A OMS refere que é preciso estudar o risco desses “acontecimentos adversos” em relação ao risco de morte por contrair a doença covid-19, doença que já matou pelo menos 2,6 milhões de pessoas em todo o mundo.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI