Superliga europeia

Presidente da FIFA contra Superliga europeia de futebol

Gianni Infantino na sua chegada ao congresso da UEFA, a 20 de Abril de 2021 em Montreux, na Suíça.
Gianni Infantino na sua chegada ao congresso da UEFA, a 20 de Abril de 2021 em Montreux, na Suíça. Fabrice Coffini AFP

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, apoiou hoje a UEFA, organismo que gere o futebol europeu, opondo-se ao lançamento da Superliga, um torneio independente criado por doze grandes clubes. Para o dirigente do futebol mundial, que discursava em Monteux, na Suíça, na abertura do congresso da UEFA o projecto de uma Superliga europeia seria um clube fechado, sem respeitar as regras em vigor e deixou um aviso claro que "ou se segue as regras ou, então se sai por completo, assumindo as consequências".

Publicidade

"A FIFA só pode desaprovar de forma veemente a criação da Superliga.

Uma Superliga que seria uma loja fechada, que seria uma ruptura para com as instituições em vigor: das Ligas, das associações, da UEFA e da FIFA.

Há que optar, ou se está dentro, ou se está fora.

Não se pode estar meio dentro ou meio fora, que toda a gente pense bem nisto.

É algo que tem que ficar absolutamente claro !"

Gianni Infantino, presidente da FIFA, 20/4/2021

Estas foram declarações de Gianni Infantino perante a UEFA sem, no entanto, avançar com sanções, mas admitindo exclusões, em relação aos doze clubes que anunciaram um projecto concorrente em relação à Liga dos campeões.

Tratar-se-ia da Superliga europeia incluindo seis clubes ingleses, três espanhóis e três italianos, estes garantem ter encetado diligências jurídicas visando a oficialização da nova prova.

A Superliga europeia seria uma competição milionária para milionários e prevê uma temporada regular opondo 20 clubes com 15 membros de direito (os 12 fundadores e três outros a determinar) e cinco outras equipas escolhidas segundo "o respectivo desempenho da época anterior".

A nova competição deveria gerar recursos suplementares para toda a pirâmide do futebol. Os 15 clubes receberiam "um depósito da ordem dos 3,5 mil millhões de euros".

Gary de Jesus, analista desportivo em França, insurge-se contra o projecto da Superliga protagonizado por clubes como Real Madrid, Liverpool ou a Juventus de Turim alegando que estes procuram é obter rendimentos ainda superiores aos que já possuem.

Gary de Jesus, analista desportivo em França, 20/4/2021

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI