Índia

Covid-19: Índia enfrenta recorde de contaminações e escassez de oxigénio

Índia regista mais de 314 mil novos casos, um novo máximo mundial.
Índia regista mais de 314 mil novos casos, um novo máximo mundial. © REUTERS - AMIT DAV

A Índia registou quase 315.000 novos casos de Covid-19 em 24 horas, um recorde mundial que deixa os hospitais em Nova Deli em estado de saturação com escassez de camas, medicamentos e a funcionar com níveis baixos de oxigénio.

Publicidade

A segunda vaga da covid-19, atribuída a uma "dupla mutação" do vírus, mas também à recente celebração de grandes eventos, veio levantar falhas no sistema de saúde da Índia.

O ministério da Saúde afirmou esta quinta-feira, 22 de Abril, que o país contabilizou 314.835 novos casos em 24 horas, o balanço com mais casos registados até agora no mundo.

Desde o início da pandemia, a Índia regista 15,9 milhões de infectados, o segundo país com o maior número de casos de Covid-19, depois dos Estados Unidos e à frente do Brasil com 14,12 milhões de casos registados no país.

"Por que motivo o governo não acorda para a gravidade da situação?"

Há hospitais a atingir a capacidade máxima de reposta, enfrentando falta de oxigénio e de materiais médicos. Os resultados dos testes à Covid-19 estão a demorar dias a ser conhecidos, atrasando a resposta ao distanciamento e outras medidas de segurança. 

Vários hospitais em Nova Deli lançaram apelos desesperados ao governo central para que responda à escassez dos meios com os quais estão a trabalhar.

Na quarta-feira, a capital do país recebeu 500 toneladas de oxigénio, uma quantidade inferior às 700 toneladas diárias que a cidade precisa. O Supremo Tribunal de Nova Deli ordenou ao governo que garanta o abastecimento de oxigénio  aos hospitais de todo o país.

"Não podemos deixar que as pessoas morram por falta de oxigénio [...] Implorem, peçam emprestado e roubem, mas forneçam", afirmaram os juízes, que questionaram: "Por que o governo não acorda para a gravidade da situação?".

Mercados paralelos de medicamentos

Muitos familiares de pacientes são forçados a pagar preços exorbitantes por medicamentos e oxigénio recorrendo a mercado paralelos.

Na cidade Lucknow, no norte do país, Ahmed Abas, de 34 anos, comprou uma botija de oxigénio de 46 litros por 45.000 rupias, um valor nove vezes superior ao preço habitual.

Em Patna, no nordeste do país, Pranay Punuj recebeu uma chamada durante a madrugada do hospital onde se encontra a sua mãe a informar que não havia oxigénio suficiente para o tratamento. "Várias horas depois, conseguimos, em troca de preço muito elevado, uma cama num hospital particular, para onde a levamos", disse.

"Estamos a pagar pela má gestão do governo", declarou à Agência de notícias France Presse Ananya Bhatt, estudante de 22 anos. "Que tipo de país deixa que seus cidadãos morrerem desta forma?".

O país adoptou medidas diferentes: desde segunda-feira à noite Nova Deli está em confinamento durante sete dias, todas as lojas não essenciais estão fechadas no estado de Maharashtra, enquanto em Uttar Pradesh, que conta com 200 milhões de habitantes, um confinamento entra em vigor este fim-de-semana.

O governo dos Estados Unidos desaconselha viagens à Índia, o Reino Unido incluiu o país na "lista vermelha" e Hong Kong e Nova Zelândia suspenderam os voos procedentes do país.

A Índia já vacinou mais de 130 milhões pessoas até o momento e a partir de dia 1 de Maio todos os adultos vão poder ser vacinados.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI