#Portugal/Julião Sarmento

Morreu o artista português Julião Sarmento

Fotografia de arquivo datada de 22 de Novembro de 2012, do artista plástico Julião Sarmento, que morreu esta terça-feira, aos 72 anos, em Lisboa, 04 de Maio de 2021.
Fotografia de arquivo datada de 22 de Novembro de 2012, do artista plástico Julião Sarmento, que morreu esta terça-feira, aos 72 anos, em Lisboa, 04 de Maio de 2021. LUSA - ESTELA SILVA

Morreu o pintor e artista plástico português Julião Sarmento, aos 72 anos. Julião Sarmento é um dos nomes mais internacionais da arte contemporânea portuguesa, estando representadono Guggenheim de Nova Iorque, no Pompidou de Paris e na Tate Modern, em Londres. Em 2016, Juliao Sarmento expôs na delegação da Gulbenkian em Paris e falou com a RFI sobre o seu trabalho.

Publicidade

Julião Sarmento é um dos nomes mais internacionais da arte contemporânea portuguesa. Tinha 72 anos e sofria de cancro.

Em 1997, o artista plástico representou Portugal na Bienal de Veneza e foi convidado a participar nas edições de 1980 e 2001. Também participou em exposições internacionais como a Documenta, em 82 e em 87, e na Bienal de São Paulo, em 2002.

As suas obras podem ser vistas na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e na Fundação de Serralves, no Porto, mas também em museus como o Guggenheim de Nova Iorque ou o Tate Modern, em Londres.

Em 2016, Julião Sarmento expôs na delegação da Gulbenkian em Paris e a figura da mulher voltou a estar no centro da mostra. Ouça aqui a entrevista de Neidy Ribeiro.

Reposição de entrevista a Julião Sarmento - Janeiro 2016

Julião Manuel Tavares Sena Sarmento, nasceu em Lisboa, a 04 de Novembro de 1948. A arquitectura foi a primeira área nos seus estudos superiores, na Escola de Belas-Artes de Lisboa, e a seguir a pintura que não viria a concluir.

Julião Sarmento foi um dos artistas que participaram na exposição "Alternativa Zero", organizada por Ernesto de Sousa em 1977, que projectou nomes como Helena Almeida, Fernando Calhau, Ana Hatherly, Alberto Carneiro e Noronha da Costa.

No início de carreira, Sarmento frequentou a Cooperativa Gravura e já usava a fotografia, juntando a palavra escrita à imagem na sua linguagem artística. Experimentou e trabalhou a pintura, desenho, escultura, instalação, fotografia, filme, vídeo, som e a performance, com piscar de olhos à literatura, filosofia, arte, arquitetura, música e cinema.

Em 1979, realizou exposições em Estugarda, Heidelberg e Bona, na Alemanha, e em Barcelona, Espanha. Depois participou na Documenta de Kassel (1982, 1987), e nas Bienais de Paris (1981), Veneza (1980, 2001, 2010) e São Paulo (1992, 2002), tendo mesmo representado Portugal na Bienal de Veneza em 1997.

Foi distinguido com o Prémio Internacional Il Lazio, de Itália, em 2009, e venceu, em 2012, o Prémio da Associação Internacional de Críticos de Arte na área das artes visuais, o Prémio Universidade de Coimbra, em 2009, o Prémio de Artes Casino da Póvoa, em 2013, e a Medalha de Prata de Mérito Municipal, de Sintra, em 1997.

Em Portugal, Julião Sarmento foi alvo de importantes exposições retrospectivas na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, em 1993, e no Museu de Serralves, no Porto, em 2012 e 2013, tendo sido alvo, no estrangeiro, de mostras relevantes, nomeadamente no Museu Rainha Sofia, em Madrid, em 1992, no Museu Witte de Witte, em Roterdão, nos Países Baixos, em 1991.

Julião Sarmento tem uma importante coleção de arte que iniciou quando andava na faculdade e que reúne obras em pintura, objectos, instalações, vídeos e esculturas de artistas portugueses e estrangeiros que conheceu. Só 5% das obras da colecção foram compradas, foi quase tudo trocado por obras suas ou prendas.

O seu trabalho está representado em colecções de arte públicas e privadas, em Portugal e no estrangeiro, nomeadamente no Centro Georges Pompidou, em Paris, no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, no Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia, em Madrid, no Museu Calouste Gulbenkian, em Lisboa, no Museu de Arte Moderna e no Museu Guggenheim, ambos em Nova Iorque, no Art Institute de Chicago, e na Tate Collection, em Londres.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI