Portugal/União Europeia

Porto recebe Cimeira Social

Primeiro-ministro português, António Costa, ao lado do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, a presidente da Comissão da União Europeia, Ursula Von der Leyen, e a comissária europeia para Coesão e Reformas, Elisa Ferreira.
Primeiro-ministro português, António Costa, ao lado do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, a presidente da Comissão da União Europeia, Ursula Von der Leyen, e a comissária europeia para Coesão e Reformas, Elisa Ferreira. LUSA - ESTELA SILVA

Em Portugal, a cidade do Porto acolhe, esta sexta-feira, a Cimeira Social com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da União Europeia, reunidos para definir a agenda social da Europa para a próxima década.

Publicidade

A cidade do Porto recebe hoje a Cimeira Social, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da União Europeia, reunidos para definir a agenda social da Europa para a próxima década.

A chanceler alemã Angela Merkel e o holandês Mark Rutte anularam a deslocação a Portugal devido à situação pandêmica nos seus países. O primeiro-ministro de Malta, Robert Abela, também não vai estar presente por estar a cumprir quarentena. 

A cimeira social é “um dos momentos altos” dos seis meses em que Portugal esteve à frente do projeto europeu. Em declarações à agência Lusa, o primeiro-ministro português, António Costa, afirma que se os estados membros subscreveram  o ‘compromisso do Porto’, uma declaração conjunta do lado sindical, empresarial e da sociedade civil será um marco para a Europa. 

“Numa discussão aberta, transparente e frontal sobre o que é que deve ser o futuro da Europa social. A existência desse diálogo, a possibilidade de existir esse acordo em si será um marco muito importante”, explicou o primeiro-ministro português. 

O principal objetivo da cimeira é reforçar o compromisso dos Estados-Membros, das instituições europeias, dos parceiros sociais e da sociedade civil com a implementação do Plano de Ação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais.

Este plano de acção, apresentado pela Comissão Europeia em Março, defende a realização de várias iniciativas e estabelece três metas principais que devem ser atingidas até 2030 ao nível europeu.

O objectivo é que a taxa de emprego atinja, pelo menos, 78% na União Europeia; Formação anual para 60% dos adultos e redução do número de pessoas em risco de exclusão social ou de pobreza em pelo menos 15 milhões de pessoas. 

À margem da cimeira o Bloco de Esquerda realiza a Contra Cimeira "resistência, do inconformismo e da solidariedade: STOP Precariedade, STOP Pobreza"; de 4 a 7 de Maio, o PCP organiza uma jornada dedicada ao tema “Em defesa do emprego e dos direitos dos trabalhadores, contra exploração – Não às imposições da União Europeia”; e a CGTP agendou para amanhã, 8 de Maio a realização  uma manifestação.

Em entrevista à RFI, a secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, defende a importância de levar para a rua as reivindicações dos trabalhadores, sujeitos às imposições laborais da Europa. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI