Israel

Comunidade internacional cada vez mais preocupada com confrontos em Jerusálem

EMMANUEL DUNAND AFP

Pela segunda noite consecutiva, a polícia israelita envolveu-se em confrontos com manifestantes palestinianos causando mais de 90 feridos nas ruas de Jerusálem, levando o Papa Francisco e outros actores internacionais a pedirem o fim da violência na Cidade Santa.

Publicidade

"A violência só leva a mais violência. Travemos estes confrontos", pediu o Papa Francisco na menssagem de domingo, após a habitual oração na praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano, apelando a uma trégua entre forças israelitas e manifestantes.

Também o Quarteto do Oriente Médio, composto pelos Estados Unidos, Rússia, Organização das Nações Unidas e União Europeia, que acompanha o processo de paz entre Israel e a Palestina, mostrou "uma preocupação profunda" em relação ao reacender das tensões, pedindo a Israel para "conter a resposta".

Israel já se defendeu, considerando que está apenas "a fazer respeitar a ordem de forma responsável, assegurando a liberdade de culto", segundo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

O Hamas, movimento islâmico no poder em Gaza, pediu aos palestinianos para se manterem no Monte do Templo até quinta-feira, fim do Ramadão, ameaçando Israel de mais violência caso o Supremo Tribunal do país valide as expulsões no bairro de Shaikh Jarrah, em Jerusálem Oriental.

As tensões entre palestinianos e israelitas acontecem num contexto em que  Israel continua a ameaçar de expulsão os moradores do bairro de Shaikh Jarrah, em Jerusálem Oriental. Esta parte da Cidade Santa é, segundo as autoridades palestinianas, a futura capital de um possível Estado independente da Palestina.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI