Terrorismo

Alto dirigente de Estado Islâmico em Moçambique está na lista negra dos EUA

Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken, em Julho de 2021.
Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken, em Julho de 2021. © JIM WATSON/AFP/arquivo

Os Estados Unidos anunciaram ontem ter colocado na sua lista negra de «patrocinadores do terrorismo internacional» cinco dirigentes de grupos jihadistas africanos, nomeadamente do Sahel e dos Shebab mas igualmente Bonomade Machude Omar que dirige o departamento militar e o pelouro da diplomacia do Estado Islâmico em Moçambique.

Publicidade

De acordo com o Departamento de Estado norte-americano, "Bonomade Machude Omar, também conhecido como Abu Sulayfa Muhammad e Ibn Omar, lidera os Departamentos de Assuntos Militares e Externos do ISIS-Moçambique e actua como comandante sénior e coordenador principal de todos os ataques realizados pelo grupo no norte de Moçambique”, palco de violências desde 2017 que causaram acima de 2800 mortos e centenas de milhares de deslocados.

Washington refere nomeadamente que “durante o ataque de Março de 2021 a Palma, Omar liderou um grupo de combatentes enquanto Abu Yasir Hassan, o líder do ISIS-Moçambique, liderou outro grupo de combatentes.” Segundo as autoridades americanas “Omar também liderou o ataque ao Hotel Amarula em Palma. Omar foi responsável por ataques na província de Cabo Delgado, em Moçambique, e na região de Mtwara, na Tanzânia.”

O Departamento de Estado americano colocou igualmente na sua lista negra Sidan Ad Hitta, comandante responsável da região de Kidal, no Mali no seio do Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos, um grupo jihadista local, Salem Ould Breimatt, alto dirigente desse mesmo movimento, os restantes dois integrantes da «lista negra» sendo Ali Mohamed Rage e Mohamed Abdikadir, ambos altos responsáveis dos Shebab na Somália.

Os cinco responsáveis citados na lista estabelecida pelos Estados Unidos serão alvo de uma série de sanções. "Todas as propriedades e interesses na propriedade desses indivíduos devem ser bloqueados e notificados ao Departamento de Controlo de Activos Estrangeiros do Departamento das Finanças. Além disso, as pessoas que participam em certas transacções com as pessoas designadas podem vir a ser alvo de sanções. Além disso, qualquer instituição financeira estrangeira que conscientemente facilite uma transacção financeira significativa ou forneça serviços financeiros significativos para as pessoas designadas hoje pode estar sujeita a sanções”, informou o Departamento de Estado.

“Os Estados Unidos estão empenhados em interromper os métodos de financiamento do ISIS-Moçambique, JNIM e al-Shabaab - todos designados como Organizações Terroristas Estrangeiras - limitando as suas capacidades de conduzir novos ataques contra civis” esclareceu o departamento liderado por Antony Blinken para quem “enfrentar a ameaça terrorista em todo o continente exigirá trabalhar em estreita colaboração com os parceiros dos Estados Unidos para reduzir a capacidade e as operações desses grupos terroristas, combatendo o seu poder e influência no oeste, leste e sul da África.”

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI