Acesso ao principal conteúdo
Ciência

Portugueses desenvolvem terapia fotodinâmica contra o coronavírus da Covid-19

Áudio 12:27
Imagem de arquivo de célula infectada com SARS-CoV-2, do Instituto norte-americano de Alergia e Doenças Infecciosas.
Imagem de arquivo de célula infectada com SARS-CoV-2, do Instituto norte-americano de Alergia e Doenças Infecciosas. © AFP /NATIONAL INSTITUTE OF ALLERGY AND INFECTIOUS DISEASES
Por: Carina Branco
27 min

O projecto FOTOVID está a desenvolver uma terapia fotodinâmica para eliminar o coronavírus responsável pela Covid-19 logo nas fossas nasais, ou seja, directamente na porta de entrada do vírus no organismo. O objectivo é reduzir a carga viral no sítio onde ela é mais crítica para evitar que o vírus se propague tanto, dando uma melhor hipótese ao sistema imunitário para reagir a tempo e travar formas graves da doença.

Publicidade

A investigação junta em consórcio a Universidade de Coimbra - através de equipas das faculdades de Ciências e Tecnologia e de Medicina - o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, a "start-up" de Coimbra LaserLeap - que coordena o projeto - e a canadiana Ondine Biomedical, líder mundial na fotodesinfecção antibacteriana.

Luís Arnaut, professor catedrático na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e especialista em terapia fotodinâmica é um dos cientistas envolvidos na investigação. Nesta entrevista, ele explica em que consiste o projecto, como é feito o tratamento, quais as expectativas e quando poderá ser aplicado. Além disso, Luís Arnaut alerta que é tempo de se pensar na possibilidade de este vírus ter vindo para ficar e que uma terapia ou uma vacina não o vão fazer desaparecer mas simplesmente ajudar a resolver o problema.

Ciência - Projecto FOTOVID - 3 Novembro 2020

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.