Convidado

Ultimato ao Tigré “é preocupante” para meio milhão de civis

Áudio 10:16
Imagem de uma estrada junto a Humera, na Etiópia. 22 de Novembro de 2020.
Imagem de uma estrada junto a Humera, na Etiópia. 22 de Novembro de 2020. AFP - EDUARDO SOTERAS

O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, deu, este domingo, um ultimato de 72 horas aos dirigentes da região do Tigré para deporem as armas. O aviso surgiu pouco tempo depois de o exército etíope ter alertado para a iminência de um ataque contra Mekele, a capital do Tigré. Meio milhão de pessoas estão em risco porque “não é a preocupação do governo proteger os civis” e há uma “forte probabilidade de desastre humanitário nas próximas semanas”, considera Manuel João Ramos, especialista no Corno de África.

Publicidade

O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, deu um ultimato de 72 horas aos dirigentes da região autónoma do Tigré para deporem as armas. O aviso surgiu pouco tempo depois de o exército etíope ter alertado para a iminência de um ataque contra Mekele, a capital do Tigré e sede do governo local que o poder central contesta. O porta-voz dos militares disse, mesmo, aos civis para fugirem.

Meio milhão de pessoas em risco porque “não é a preocupação do governo proteger os civis” e há uma “forte probabilidade de desastre humanitário nas próximas semanas”, considera Manuel João Ramos, especialista no Corno de África. Para ouvir na entrevista do dia do programa CONVIDADO.

Manuel João Ramos - Entrevista sobre o Tigré

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI