Em directo da redacção

11 de Setembro de 2001: “Vamos ficar em alerta para o resto das nossas vidas”

Áudio 09:33
Ataque contra o World Trade Center, em Nova Iorque, a 11 de Setembro de 2001.
Ataque contra o World Trade Center, em Nova Iorque, a 11 de Setembro de 2001. AFP - SETH MCALLISTER

Virgínia Ferreira tinha 25 anos no 11 de Setembro de 2001. Era paramédica na região de Nova Iorque e foi ajudar pessoas numa estação de comboios. O seu noivo, David Lemagne, era polícia da autoridade portuária e foi ajudar a socorrer vítimas junto às Torres Gémeas. Nesse dia, a portuguesa perdeu o noivo, uma das quase 3.000 vítimas dos atentados, e soube que ia “ficar em alerta para o resto da vida”.

Publicidade

Foi há 20 anos. Dois aviões de passageiros embatiam, com alguns minutos de intervalo, nas torres gémeas do World Trade Center, em Nova Iorque, que desabavam poucas horas após o impacto. Um terceiro avião conduzido por terroristas colidia contra o edifício do Pentágono e um quarto avião despenhava-se num descampado em Shanksville. Nessa manhã, morreram cerca de 3.000 pessoas. Eram os piores ataques terroristas na história dos Estados Unidos.

Nesse dia, a história de Virgínia Ferreira também mudou. A portuguesa, que mora desde menina em Nova Iorque, tinha 25 anos e estava noiva de David Lemagne, um polícia da autoridade portuária. Ambos eram paramédicos e foram ajudar. Ela numa estação de comboios, ele nas Torres Gémeas. David nunca mais voltou.

Vinte anos depois, “as cicatrizes ficaram lá” e o noivo continua a ser “parte da vida de todos os dias”. Para ela, o que se aprendeu com o 11 de Setembro de 2001 resume-se a uma frase: “Vamos ficar em alerta para o resto das nossas vidas”.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI