Acesso ao principal conteúdo
Imprensa Semanal

Macron e África ou gigantes tecnológicos querem controlar nossas mentes

Áudio 04:15
Macron e África e gigantes tecnológicos querem controlo das nossas mentes
Macron e África e gigantes tecnológicos querem controlo das nossas mentes © João Matos
Por: João Matos
8 min

Abrimos esta Imprensa africana, com o semanário JEUNE AFRIQUE, que na sua edição online destaca uma entrevista com o politólogo e escritor africano, Achille Mbembe, que se interroga se o Presidente francês, Emmanuel Macron, pesou bem a perda de influência de França em África. 

Publicidade

O Presidente francês, encara a África com cinismo e engana-se no diagnóstico que faz sobre as questões essenciais, agravando as incompreensões, afirma o intelectual camaronês, Achille Mbembe.

O conhecido politólogo, historiador e escritor, Mbembe, um conhecedor da França, a exemplo de outros intelectuais africanos, criticam na JEUNE AFRIQUE, a sua postura de dois pesos e duas medidas de Macron em relação a chefes de Estado africanos. 

L'EXPRESS, titula em capa, o enigma Macron. Quem conhece Macron? pergunta o  livro, um Presidente confiscador da jornalista, Corinne Lhaïk. Macron é um confiscador. Será a vingança da História, estar ele prisioneiro de três crises sanitária, económica, terrorista?

Nalgumas páginas do livro reproduzidas pelo L'EXPRESS, lê-se que não foi apenas a eleição de Macron que tomou tonalidades de um roubo do século, é todo o seu mandato que coloca o incumbente do Eliseu numa posição de roubar as ideias dos outros sem que se saiba se as integra verdadeiramente ou se é uma postura para neutralizar os seus adversários.

Não é pois de estranhar a insegurança que assaltou mesmo seus eleitores de 2017 que têm dificuldades em reconhecer o que campeão que então escolheram, cita L'EXPRESS. 

Ciência sem credibilidade devido à Covid e Google e Facebook que querem controlar mentes

Por seu lado, COURRIER INTERNATIONAL, pergunta em capa como é que a ciência nos pode ajudar? Com a pandemia de coronavírus, os peritos perderam a sua credibilidade.  Ora a ciência e o conhecimento são essenciais para comprendermos a complexidade do mundo e travar as teorias da conspiração. 

Na corrente veio o fluxo de informações inerente a esse tipo de fenómeno mundial e inédito que provocou inevitavelmente o seu corolário que é uma desinformação também exponencial.

Os investigadores convocados de todas as partes acabaram por perder em credibilidade devido às suas contradições e as reviravoltas da Organização mundial da Saúde, nomeadamente, sobre o uso da máscara, não ajudaram em nada, acrescenta, COURRIER INTERNATIONAL. 

CHALLENGE's, destaca a incrível corrida a vacinas contra a Covid, como a última batalha de EEstados, industriais e filatropos investindo biliões de dólares em pesquisas laboratoriais..

L'OBS, destaca em capa, o escândalo Scouarnec, itinerário de um predator. Joël Le Scouarnec, era um médico respeitado, um cavalheiro em aparência, um bom marido e um bom pai de família.

Ora, durante 30 anos, o cirurgião Jonziac que registava metodicamente seus actos pedófilos em diários íntimos, terá abusado de mais de 300 crianças. Todos os alertas que foram lançados não resultaram até um dia que uma menina rompeu o silêncio, que desembocou no julgamento deste médico perverso por agressões sexuais que começa dentro de dias, nota, L'OBS. 

Somos escravos do Amazon, Google, Facebook?,pergunta, em capa, LE POINT. Reinam sobre as nossas vidas impondo as suas leis. Mark Zurckerberg, do Facebook, sonha poder ditar um texto ao telemóvel mentalmente, Jeff Bezos, fundador do Amazon, investiu num leite articificial a partir de raízes de chicória e couve concentrado, enquanto a inteligência artifical do Google acaba de disponibilizar o código de uma rede neuronal simulando o comportamento de electrões, nota, LE POINT. 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.