Acesso ao principal conteúdo
Semana em África

Imbróglio na política guineense com Interpol à mistura

Áudio 13:53
Bissau, capital guineense. Imagem de Ilustração.
Bissau, capital guineense. Imagem de Ilustração. © AFP - EMILIE IOB
Por: Marco Martins
31 min

O nosso programa "Semana em África" tem como principal destaque a confusão gerada na Guiné-Bissau relativamente ao mandado de captura visando Domingos Simões Pereira, Presidente do PAIGC.

Publicidade

O caso do mandado de captura contra Domingos Simões Pereira pela justiça guineense esteve na berlinda durante esta semana. Depois da Interpol ter invalidado tal medida, o governo de Bissau nomeou Bacari Biai, antigo procurador geral da república, para dirigir o gabinete nacional daquela polícia internacional. No entanto, os advogados do antigo primeiro-ministro não se dão por satisfeitos.

A Interpol recusou o mandado de captura contra o líder do PAIGC, a emissão deste mandado internacional tinha sido anunciada pelo Procurador Geral da República guineense em Dezembro. Os advogados que representam Domingos Simões Pereira garantiram que a Interpol rejeitou validar qualquer mandado de captura internacional contra o seu cliente, assegura Vailton Pereira Barreto, do colectivo de advogados do líder do PAIGC.

Ainda na Guiné-Bissau, Júlio Mendonça, secretário-geral da maior central sindical, a União Nacional dos Trabalhadores da Guiné, está indignado com os subsídios que o Governo anunciou para os titulares de órgãos de soberania do país.

Angola decidiu fechar no final do ano as fronteiras com países que tenham detectado a nova variante do coronavírus SARS-Cov 2 que se propaga de forma mais rápida. Para não correr riscos, Angola aplicou restrições quanto à entrada de passageiros para reduzir o risco desta nova variante chegar ao país, afirma Djamila Cabral, a representante da OMS em Angola.

Em Moçambique, mantém-se complicado e condicionado o movimento migratório nas fronteiras de Ressano Garcia, Namaacha e Ponta de Ouro, na província de Maputo, com a vizinha África do Sul.

Em São Tomé e Príncipe o chefe de Estado Evaristo Carvalho vetou a lei eleitoral. Evaristo  Carvalho aguarda que seja apresentada uma reforma integral do pacote legislativo que respeite a  Constituição. Maximino Carlos, correspondente no arquipélago equatorial, tem mais informação.

São Tomé e Príncipe assinou a 21 de Março o Acordo da zona de comércio livre africana, tendo ratificado o referido instrumento em 2019.

Cabo Verde consta dos países que ratificaram a Zona africana de comércio livre que entrou em vigor no primeiro dia deste ano novo.

A oposição contesta a nomeação de um ex-autarca da capital para governador do Banco de Cabo Verde, no caso o economista Óscar Santos, posição refutada pelo MPD, no poder, que a qualifica como sendo "normal".

Semana em África 09-01-2021 MM

Chegamos assim ao fim desta Semana em África.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.