Semana em África

CEDEAO e UA suspendem Guiné-Conacri das suas organizações

Áudio 11:55
Delegação da CEDEAO chegou à Guiné-Conacri, 10 de Setembro de 2021.
Delegação da CEDEAO chegou à Guiné-Conacri, 10 de Setembro de 2021. REUTERS - STRINGER

A delegação da CEDEAO chegou esta sexta-feira, 10 de Setembro, a Conacri para analisar a situação do país, depois dos militares terem tomado o país, destituído o Presidente e governo guineense.

Publicidade

Esta semana na Guiné Conacri, as forças militares guineenses anunciaram a dissolução de todas as instituições do país. A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a União Africana (UA) suspenderam a Guiné Conacri de todas as suas "actividades e órgãos de decisão", em consequência do golpe de Estado no domingo, liderado por militares. A posição foi subscrita de forma incondicional por Cabo Verde, como descreveu o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Integração regional, Rui Figueiredo Soares.

A CEDEAO condenou as mudanças políticas anti-constitucionais realizadas na Guiné Conacri pela força. Rui Jorge Semedo, politólogo guineense, não ficou surpreendido com o golpe de Estado e alertou para o perigo de outros países, entre eles Guiné-Bissau, seguirem o mesmo exemplo.

São Tomé e Príncipe elegeu um novo Presidente da República. Carlos Vila Nova, candidato apoiado pela ADI, venceu a segunda volta das eleições com 57,54% dos votos, segundo os dados provisórios da Comissão Eleitoral Nacional. Carlos Vila Nova declarou ter vencido nestas eleições “de forma clara”.

Guilherme Posser da Costa, o candidato derrotado, apoiado pelo MLSTP-PSD, deu os parabéns ao adversário. 

O primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Jorge Bom Jesus, reconhece que a falta de disciplina partidária do MLSTP-PSD pode “de alguma forma” ter ditado a derrota de Guilherme Posser da Costa e admite que “forçosamente” vai haver uma remodelação governamental. 

O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, considera que a decisão de extradição de Alex Saab para os Estados Unidos da América decorreu sem intromissão dos poderes políticos e de acordo com a Constituição cabo-verdiana. Advogados de defesa de Alex Saab promete explorar todas as soluções legais contra a autorização da extradição.

No norte de Moçambique, foram reconquistadas todas as zonas que estavam sob domínio dos terroristas na província de Cabo Delgado. O anúncio foi feito, esta semana, pelo chefe de Estado, Filipe Nyusi, durante a cerimónia que marcou a passagem dos 47 anos do Acordo de Lusaka, assinado entre o governo português e a Frelimo, e que culminou com a proclamação da independência de Moçambique, em 1975. 

Ainda em Moçambique, o empresário libanês Jean Boustani, considerado principal mentor do negócio que deu lugar às dívidas ocultas, está disponível para ser ouvido e esclarecer o caso perante a justiça moçambicana por meio de videoconferência. A decisão divide opiniões entre os advogados de defesa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe toda a actualidade internacional fazendo download da aplicação RFI