RFI Convida

Semana da Francofonia no Brasil resgata diversidade cultural da comunidade de língua francesa

Áudio 07:03
Denise Damasco, présidente de la FBPF
Denise Damasco, présidente de la FBPF © Captura de tela

A Francofonia é uma comunidade linguística da qual participam todos aqueles que falam francês, língua oficial de mais de 300 milhões de pessoas, em dezenas de países, e que representa o equivalente a 4% da população mundial. Para conhecer melhor a programação da edição 2021 da Semana da Francofonia no Brasil, a RFI conversou com Denise Damasco, presidente da Federação Brasileira de Professores de Francês. 

Publicidade

[Para assistir a entrevista na íntegra, clique na imagem acima]

A Semana da Francofonia no Brasil é celebrada todos os anos em março. O Brasil possui uma grande comunidade francófona, que celebra a diversidade linguística e cultural das nações de língua francesa, com eventos acontecendo simultaneamente em todo o mundo: uma celebração multicultural, com sotaques, ritmos e sabores que vão muito além da língua e abordam todo um tecido cultural.

Em 2021, por conta da crise de sanitária, a celebração da Francofonia no Brasil acontece inteiramente online, de 15 a 20 de março. O programa é nacional, totalmente gratuito e acessível a todos aqueles que desejem participar.

"Esse evento existe no Brasil e no mundo para comemorar justamente os países e as pessoas que se identificam com a língua francesa. Aqui no Brasil, o evento coincide com a volta às aulas. Todos aqueles que estudam francês ou em francês têm a oportunidade de começar o ano retomando toda a dimensão linguística da francofonia, trazendo não apenas a parte da língua, mas a parte cultural, de literatura, gastronomia, abordando esse conceito largo de francofonia", diz Denise Damasco, presidente da Federação Brasileira de Professores de Francês.

Semana da Francofonia no Brasil

"A Francofonia vai além do vetor linguístico, há também o vetor geográfico de onde se fala francês. E a dimensão identitária. No Brasil, temos o Amapá, que faz fronteira com a França. É diferente do Rio Grande do Sul, do Distrito Federal", explica Damasco. "Existe também a dimensão institucional que trabalha em prol dessa francofonia, sempre pensando numa francofonia que não é homogênea. São espaços francófonos diferentes que pretendemos mostrar durante essa semana", acrescentou.

O programa é longo e para todos os gostos, dividido em módulos como "Língua Francesa", "Artes Visuais", "Literatura", "Artes Cênicas", "Gastronomia" e "Mobilidades". Entre os destaques da programação de mobilidades da Semana da Francofonia 2021 no Brasil, a Agência Universitária da Francofonia (AUF) nas Américas, por meio de sua filial em São Paulo, vai participar do evento online “Estudar na Francofonia”, que será realizado na quinta-feira (18), às 17h. O webinar é produzido em parceria com o Consulado Geral do Canadá no Rio de Janeiro, o Campus França Brasil, o escritório do Governo de Quebec em São Paulo e a Embaixada da Suíça e a Wallonia-Bruxelas Internacional. 

Apesar da desaceleração do fluxo de estudantes nos últimos quatro anos, o Brasil mantém uma forte mobilidade, que gira em torno de 60.000 alunos que viajam anualmente para estudar em países francófonos.Esta mobilidade estudantil é um dos aspectos fundamentais para manter uma Francofonia científica em movimento e em diálogo, segundo a agência.

"Na Federação Brasileira de Professores de Francês, trabalhamos com as representações diplomáticas no Brasil. No nosso caso, com 18 associações dos estados e Distrito Federal (DF). Algumas associações fizeram uma programação aberta, como no caso da Associação de Professores de Francês do DF, que propõe, por exemplo, junto a seu coletivo de teatro, uma apresentação de uma peça de teatro francófona", conta Denise Damasco.

E, pelo jeito, a francofonia tem futuro no Brasil. "Temos observado os jovens que entram na universidade, eles querem conhecer os países onde se fala o francês. A francofonia é um lugar de mobilidade e profissionalismo. A gente observa pessoas que procuram uma segunda ou terceira língua para terem mais inserção profissional. Eu acredito nessa força da francofonia, que não chega trazendo estereótipos ou ideias pré-concebidas do francês. Os jovens querem contato, interação, se comunicar", finaliza.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.