Profissionais da saúde assinam único representante do Brasil no Mobile Film Festival

Áudio 07:02
O filme "Pegada", de Mayara Floss et Marco Aurélio Ferreira Farnezi, é a única produção brasileiro na 17ª do Mobile Film Festival.
O filme "Pegada", de Mayara Floss et Marco Aurélio Ferreira Farnezi, é a única produção brasileiro na 17ª do Mobile Film Festival. © Fotomontagem RFI

Acontece nesse momento a 17ª edição do Mobile Film Festival, um evento virtual que reúne produções com cerca de um minuto de duração, realizadas com câmeras de telefone celular. Este ano 50 projetos, vindos de 34 países, foram selecionados. O Brasil é representado por “Pegada”, dirigido por Mayara Floss e Marco Aurélio Polato Ferreira Farnezi.

Publicidade

“Fazendo as pazes com a natureza” foi o tema deste ano do Mobile Film Festival, evento realizado em parceria com a PNUD, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Dos 692 filmes oriundos de 92 países, apenas um brasileiro foi selecionado. “A gente ficou muito feliz e surpreso. O Brasil tem trazido várias questões nesse tema do planeta e das mudanças climáticas”, explica Mayara Floss.

"Pegada" traz uma coletânea de pés de várias pessoas, andando por diferentes lugares. “Eu estava caminhando na praia e veio a ideia de brincar com essa coisa da pegada para fazer essa mensagem de um minuto sobre quais as pegadas que a gente vai deixar no planeta. Não só a de carbono, mas todas as outras pegadas”, conta Mayara.

“Queríamos mostrar como a gente impacta o nosso ecossistema. A partir disso a gente começou a pensar em formas de mostrar para as pessoas como nós possuímos uma responsabilidade ambiental”, completa Marco Aurélio. “No processo de criação decidimos trazer tanto um aspecto mais informativo, para gerar uma conscientização da parte de quem assiste, como também uma parte mais poética, para gerar uma comoção e mostrar como nós podemos falar sobre saúde planetária e nossa relação com o meio”.

Uma particularidade de “Pegada” é que seus dois diretores não são cineastas de formação, e sim profissionais da saúde. Mayara é médica de família e Marco Aurélio estudante de Medicina. Ambos são membros do “Sementes Rurais” (Rural Seeds), projeto criado em 2016 em parceria com a Organização Mundial dos Médicos de Família (Wonca, na sigla em inglês) e se interessam pela intersecção entre saúde rural e saúde planetária.

“A gente está falando sobre como essa população do campo vive, como ela está mais vulnerável por estar presente nesse ambiente e assim acabamos conversando também sobre os aspectos da saúde planetária, como direitos humanos”, resume Marco Aurélio.

“Pegada” e os demais filmes em competição estão disponíveis gratuitamente no site do festival www.mobilefilmfestival.com. O público também pode votar para escolher o ganhador de um dos nove prêmios propostos no site da revista Sens Critique.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI